Início Jornalismo Notícias Secretaria de Saúde de Porto Alegre informa que ter CPF dos casos...

Secretaria de Saúde de Porto Alegre informa que ter CPF dos casos positivos é recomendável para que se faça teste, mas nega obrigatoriedade

65
0
Foto: Abramed/Divulgação

A Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre passou a adotar o CPF como identificador para rastrear a contaminação pelo coronavírus na cidade. Por isso, ao chegar em uma unidade de saúde e pedir para fazer o teste para a Covid-19, será pedido o CPF da pessoa com a qual o paciente teve contato e que apresentou teste positivo para a doença.

A medida, no entanto, não é obrigatória e a falta de apresentação do CPF não deve impedir a realização do teste, alerta a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde.

Além do CPF da pessoa que contraiu a doença, também é preciso avaliar questões como sintomas apresentados e a data de início deles. Um teste, para ser efetivo, seguindo os atuais protocolos da área da saúde aplicados no Brasil, deve ser feito exatamente dentro dos períodos estabelecidos, podendo, se fugir disso, apresentar um resultado falso ou impreciso, tanto para positivo como para negativo.

Segundo o pesquisador Otávio D’ávila, especialista em saúde pública, quando se cria estratégia de rastreamento é preciso ter pelo menos dois alicerces centrais: capacidade de fazer testagem na população, com grande quantidade de testes, o que hoje se coloca como a primeira barreira no Brasil; e, depois, estabelecer quem entrou em contato com casos positivados, testar e isolar.

D’ávila pontua que, para fazer isso, é necessário um sistema robusto que dê conta de auxiliar na gestão de dados, que só serão administráveis através de sistemas. “Para gerar tudo isso precisamos ter um identificador do indivíduo que seja inequívoco e que não gere duplicação e o melhor identificador que se tem é o CPF”, destaca.

 “Ter um identificador é super importante para que se consiga ter um sistema de monitoramento e rastreamento. Para ter isso de modo funcionando é preciso ter um identificador dos indivíduos que seja seguro”, finaliza o pesquisador, defendendo que a exigência não seja obrigatória para que se faça o teste.  

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui