Pular para o conteúdo principal

Bash no Windows 10: o fim do Linux

Este artigo não representa mais minha visão sobre o software livre e está sendo mantido aqui apenas por razões históricas. Para minha visão atual, veja este artigo.


Eu até olhei o calendário para confirmar que o dia 1º de Abril é amanhã, pois a notícia que surgiu hoje, na conferência Build da Microsoft, é digna de uma dessas piadas, mas é verdade: graças a uma parceria com a Canonical, a empresa responsável pelo Ubuntu, a empresa de Redmond trará o famoso shell Bash ao Windows 10, algo simplesmente inimaginável há poucos anos.



O shell estará disponível de forma nativa, sem a utilização de virtualização ou de emulação de qualquer espécie. É um momento histórico, mas que sucinta algumas preocupações.


Primeiro, está claro que o público-alvo dessa medida revolucionária são os desenvolvedores, principalmente os desenvolvedores web, pois agora eles poderão acessar várias ferramentas nativas do sistema livre, como Ruby, Perl, Python, Git, entre outras, diretamente no sistema da Microsoft, sem precisar fazer dual boot ou recorrer a uma máquina virtual.


E esse é o grande problema. Do ponto de vista do desenvolvedor, ganha-se praticidade e rapidez na hora de acessar os recursos nativos do Linux necessários ao desenvolvimento de alguma atividade. Por outro lado, a própria necessidade de se usar Linux perde a razão de existir.


Basta pensar: por que algum desenvolvedor (ou usuário comum) instalaria um outro sistema operacional, seja em dual boot ou em uma máquina virtual, se todos os seus principais recursos já estão disponíveis no sistema que ele já utiliza? Seria o mesmo que argumentar pelo envio de um SMS quando temos Telegram, WhatsApp e outros serviços livres ou proprietários de mensagem instantânea.


Muitos vão dizer, porém, que o Linux possui várias vantagens. No entanto, em 2016, a maioria delas é amplamente questionável:


Estabilidade: quem pegou a época dos Windows 95 a XP sabe que o Linux tinha, como grande vantagem, ser estável. Sem exageros, bastava você apertar uma tecla errada no Windows 95/98 para ser presenteado com uma bela tela azul e perder todo o seu trabalho não salvo. O Linux, por outro lado, sempre foi estável, falhando apenas devido a problemas de hardware.


O fato, porém, é que desde o Windows Vista a Microsoft começou a fazer seu dever de casa e, hoje, o Windows é tão estável quanto o Linux, sendo muito difícil que o sistema inteiro trave por algum motivo qualquer.


Rapidez: outra grande vantagem do Linux é o fato de ele, em geral, ser mais leve e rápido do que o Windows. Mas em 2016. esse argumento perdeu o sentido, pois os computadores a venda hoje já possuem configurações suficientes para deixar qualquer sistema rápido ou com uma performance aceitável.


Segurança: um dos grandes argumentos a favor do Linux é o fato de que o sistema não pega vírus, mas hoje, basta saber navegar direito - isto é, não entrar em sites suspeitos ou baixar e instalar tudo que se vê pela frente, bem como evitar sites de downloads como Baixaki - que é muito difícil se contaminar com qualquer ameaça, em qualquer sistema operacional.


Gratuidade: O maior benefício do Linux - ser gratuito - também perdeu o sentido, pois além de o Windows 10 (por enquanto) também ser gratuito, aqui no Brasil a maioria dos usuários nunca se importou com os termos das licenças dos programas.


Liberdade: Esse argumento é imbatível, mas a maioria dos usuários não se importa com ele: o pessoal só quer que seus programas e hardwares funcionem, sem se importar com a licença. Fim.


Com isso, percebemos que, hoje, não há mais motivos nem para o usuário comum nem para o desenvolvedor usarem Linux. O Windows 10 é um sistema completo que já oferece o melhor de ambos os mundos.


Assim como os VHS, os CDs, os blu-rays e os discos de vinil, o Linux vai, cada vez mais, ficar restrito ao seu nicho específico de usuários: aqueles que gostam do sistema e aqueles que desejam ter o máximo de liberdade de software. O mais cômico é que a maior prejudicada nessa história será a própria Canonical, quem celebrou essa parceria, pois agora também não ha motivos para desenvolvedores usarem Ubuntu.


Com isso, concluímos que quem mais perde é o open source e que, a partir de hoje, a luta dos ativistas e dos militantes do software livre se torna mais importante e necessária do que nunca, pois o que interessa é a liberdade.

Comentários

  1. Oi... Windows 10 Gratuito? somente se você tiver uma licença do 7 ou 8.

    ResponderExcluir
  2. Se vc tiver um windows 7 ou 8 crackeado e deixar ele atualiza pro win 10 via windows update ele "magicamente" se tornará original. Testado por mim em 4 computadores.

    ResponderExcluir
  3. Falácias de André Machado!

    Muitos vão dizer, porém, que o Linux possui várias vantagens. No entanto, em 2016, a maioria delas é amplamente questionável:

    Mas, o que não é questionável neste mundo?

    Estabilidade: Estabilidade é algo que o Linux sempre teve. O Windows melhorou muito. Mas ainda fica aquém.

    Rapidez: Ser rápido é uma coisa. Ter escalabilidade é outra. E escalabilidade nunca foi o ponto forte do Windows. Veja as literaturas como Andrew S. Tanenbaum e outros, a experiência de pessoas em ambientes heterogêneos.
    Fazer mais com o mesmo hardware é economizar dinheiro, é ser eficiente. O Linux é conhecido por aproveitar melhor os recursos de hardware.

    Segurança: Veja o que diz literatura como Evi Nemeth e Cia, Andrew S. Tanenbaum, etc sobre segurança de sistemas operacionais modernos. Jogar toda a culpa sobre segurança de sistema operacional ou uso de software sobre o usuário é o argumento muito fraco. Deveria ler sobre o assunto. Dizer que Linux não pega vírus e outros é argumento de quem não sabe o que fala. Um sistema ou serviço mal configurado é desastroso em qualquer ambiente seja ele Linux, Windows ou outro.
    O Linux apresenta vantagens na área de segurança e principalmente pela cultura de segurança. Nenhuma documentação das distribuições e literatura recomenda uso da conta de root a não ser estritamente quando necessário em tarefas administrativas.

    Gratuidade: “O barato que sai caro.” Este não é o caso do Linux. Em princípio, alguns diziam utilizar o Linux pela possibilidade de não pagamento de licença. Mas o que mantém o seu uso é a qualidade, estabilidade, segurança, robustez, escalabilidade, flexibilidade, etc.
    Ninguém fica com algo que tem custo zero ou é mais barato se não presta, se não tem qualidade.

    Liberdade: Esse argumento é imbatível. Que os softwares e os hardwares funcionem também sempre foi o desejo da FSF e de todos que usam software livre.
    Com isso, percebemos que, hoje, mais do que nunca, temos alternativas.
    Nunca utilizei windows na minha casa. Sempre utilizei Linux. O software livre me atende, muito bem, às minhas necessidades.
    Aliás, num mundo onde tudo caminha-se para os browses, o sistema operacional vem perdendo sua importância a cada dia.

    ResponderExcluir
  4. Discordo plenamente desses argumentos.
    1) Enquanto mais cooperação entre empresas melhor, essa situação de ficar achando lado ruim da Microsoft ter elementos do Linux é somente incentivo pra discussões de Xiismos ja muito costumeiros no muito Linux.
    2) Utilizo Linux porque pra mim ele é o melhor. Não utilizo porque não tenho dinheiro pra comprar o Windows ou porque, ou porque não ter opção melhor e sim porque eu gosto de suas funcionalidades. Esse papo de que agora as pessoas não vão ter motivos para usar linux é o mesmo de quem acha que utiliza-se Linux por falta de opções.

    ResponderExcluir
  5. Haahaahahahha
    Boa boa!

    ResponderExcluir
  6. Sou desenvolvedor .Net há 9 anos, porém, prefiro Linux, principalmente no servidor (a propósito, até a MS tem usado Linux no Azure). O fato de o Windows 10 possuir o bash não me fará deixar de usar o Linux, pois não são as ferramentas do Linux o seu principal atrativo, e sim sua grande possibilidade de customização (posso recompilar o kernel, tirando tudo o que não é necessário), o que faz o Windows praticamente inviável em alguns cenários frente ao Linux. Vemos sites e aplicações rodando em servidores VPS Linux com pouquíssimos recursos tirando leite de pedra. Esse sim é o diferencial do Linux, e isso eu acho que o Windows não consegue alcançar tão cedo.

    ResponderExcluir
  7. Olha, essa análise é, para dizer pouco, BEM simplista.
    Algum desenvolvedor que deixe de usar Linux para usar Windows por causa do bash e meia dúzia de utilitário nunca foi um DEV de Linux.
    Todos os outros argumentos são refutáveis e rasos.
    Sabe o que parece? Raivinha teen contra o Windows/MS.
    Esse movimento é MUITO bem vindo... se esse projeto crescer, e não tenho dúvidas que vai, teremos a possibilidade logo mais de rodar, por exmeplo, Docker Linux dentro do Windows! Veja só que fantástico!
    Ao invés de inverter as bolas e achar que isso é uma coisa ruim para o Linux ou o software livre, pense direito, é uma assinatura de vitória TOTAL do Open Source.
    Pra não dizer que vou só bater, aí vai um "sopro": Esse projeto deveria ser Open Source também, gostaria de ver desenvolvedores do Kernel podendo aumentar exponencialmente o número de Syscalls fazendo mais e mais sofwares, frameworks, linguagens, etc... sendo executadas dentro do Windows sem precisar mexer absolutamente nada nos binários.
    A internet já é cheia demais de batalhas, e esse comentário não é para começar só mais uma, então, repense seus argumentos e reflita sobre os comentários aqui escritos (os educados é claro).

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Blah!

    Esse historinha de Linux para usuário final é coisa lá dos idos dos anos 2000 na minha opinião. Cara, é só pegar seu Android, sua TV, qualquer roteador, media center, a AWS, a Azure, Google, Facebook. A internet roda praticamente em cima de Open Source e Linux. O Linux já chegou lá, o mercado fez a coisa certa, usaram o Linux onde ele deveria ser usado, e da maneira que tem que ser usado.

    ResponderExcluir
  9. Debian Gentoo de Fedora3 de abril de 2016 12:58

    Você esqueceu um motivo para continuar no Linux, caro André: ÉTICA. Isso a M$ nunca teve e nunca terá. Eles sempre continuarão capturando por baixo dos panos todos os dados dos usuários e enviando sabe Deus para quem fazer sabe Deus o quê.

    A Canonical sempre achou que esse negócio de ética era uma coisa meio assim, sabe, relativa... E vem demonstrando isso desde que incluiu o spyware no seu SO Ubuntu. A "parceria" com a M$ é consequência direta dessa, digamos, "flexibilidade ética".

    Não, André, nem todo mundo acha normal o assalto à Petrobras, nem todo mundo acha normal o engajamento de empresa privadas no Prism, nem todo mundo acha normal o assassinato do Celso Daniel, nem todo mundo acha normal o fato de que a M$ descriptografa e armazena em seus servidores tudo o que você digita no Skype. Enquanto houver, no mundo, gente preocupada com ética, o Linux terá seu lugar.

    ResponderExcluir
  10. Nunca li tanta merda num post só. Ou você é fanboy do Windows ou a Microsoft te pagou pra falar bem dela. Provavelmente os dois.

    ResponderExcluir
  11. não há mais motivos nem para o usuário comum nem para o desenvolvedor usarem Linux?

    ou é Doidera, ignorância ou inocência pensar desse jeito. Se o linux deixar de existir a ilegalidade, pirataria e invasão de sistemas irão tomar conta desse planeta, só temos softwares bons hoje em dia porque grupos se unem para fazer o melhor possível sem levar a grana em consideração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como acessar configurações avançadas no Sagemcom F@st 2704N

NOVO TUTORIAL: GUIA DEFINITIVO DAS CONFIGURAÇÕES AVANÇADAS DO SAGEMCOM F@ST 2704N!
Atualização 23/01/2015: Alguns problemas apontados e descobertos nesse modem:
1. Alguns usuários relatam dificuldade em salvar alterações na configuração ADSL;
2. Não sei como acessar os logs do modem; mesmo habilitando, eles não aparecem;
3. Se você trocar o DNS do modem, ele voltará ao da Oi ao ser reiniciado;
4. Estou enfrentando alguns problemas sérios de lentidão. Não sei se isso é relacionado ao modem ou a algum dispositivo na minha rede interna.
-----
Os modens da marca Sagemcom estão se tornando muito populares no Brasil, não, quiçá, por sua qualidade, mas porque eles são os atuais queridinhos das operadoras: quando você assina um plano ADSL, geralmente a operadora envia um modem wireless para sua casa a fim de que você possa navegar sem precisar ter gastos extras com esse equipamento. É claro que os equipamentos fornecidos pelas operadoras são básicos, mas saciam as necessidades dos usuários comuns - …

O Guia Definitivo das configurações avançadas no Sagemcom F@st 2704N

Há alguns meses, eu contei minha experiência com o Sagemcom F@st 2704N e tenho recebido diversos comentários sobre suas configurações avançadas. Agora que minhas aulas na faculdade estão acabando, resolvi reservar um tempinho para explorar melhor esse modem que, diga-se de passagem, é muito bom.