Pular para o conteúdo principal

O fim do Linux em computadores antigos

Muito já se escreveu na internet que o Linux é uma ótima alternativa para "ressuscitar" computadores antigos que, por não possuírem mais os recursos técnicos necessários para realizar as tarefas para os quais foram projetados, acabam sendo abandonados em algum canto ou armário de casa.



De fato, hoje existem várias distribuições leves - tanto as que usam gerenciadores de janelas como LXDE ou XFCE quanto as específicas para essa finalidade, como Puppy Linux ou Damn Small Linux - que podem (guardadas as devidas proporções) fazer com que aquele PC de quinze ou de vinte anos atrás volte a ser utilizado, nos dias de hoje, para a realização de tarefas simples.


É possível, por exemplo, instalar uma distribuição leve em um Pentium 4 e transformá-lo em um ponto de acesso à internet, atividade que não exige muito poder de processamento. Um pequeno escritório também pode pegar um velho PC como esse, instalar nele uma distribuição apenas com o temido modo texto e transformá-lo em um pequeno servidor de arquivos, para guardar backups de seus documentos importantes ou em um pequeno servidor web para testar páginas e sistemas. Um micro ainda mais limitado, como um 486 ou Pentium, poderia servir de roteador, tendo muito mais recursos do que os equipamentos dedicados a isso disponíveis no mercado.


Longevidade é uma característica dos sistemas Unix-Like. Recentemente, um servidor FreeBSD foi desligado após 18 anos e 10 meses de trabalho ininterrupto, algo que talvez não seria possível com outro tipo de sistema operacional. As possibilidades são muitas e o Linux, nesse tipo de computador, contribuiria para diminuir a terrível obsolescência programada. No entanto, aqui no Brasil há um pequeno detalhe que nos impede de dar esse final digno e nobre a nossos velhos companheiros: a energia elétrica!


Evolução do custo da energia elétrica. Fonte: http://potencial.eng.br/wp-content/uploads/2015/02/graficos-consumo-6.jpg


A menos que você seja um militante do PT, é sabido que estamos atravessando uma das mais graves crises econômicas de nossa História. A tão sonhada redução na tarifa de energia elétrica ocorrida no início de 2013 ficou no passado e, hoje, pagamos cada vez mais caro para termos esse pequeno luxo da vida moderna. Toda a redução prometida há três anos foi anulada. Além de termos um alto custo por kWh, enfrentamos ameaça de seca dos reservatórios e as infames bandeiras tarifárias, que só oneram o consumidor final e não resolvem o problema.


É claro que ressuscitar um PC antigo com uma distribuição de Linux evitaria que seus componentes fossem para o lixo, poluindo o meio ambiente, mas graças a esse cenário desolador, tal atitude nobre se tornou simplesmente impossível nos dias atuais.


Mesmo que alguém substitua a fonte de alimentação de um PC antigo por uma mais moderna (nos casos em que isso for possível), ainda há o fato de que os componentes internos daquela máquina - como processador, placa-mãe. discos rígidos - não são eletricamente eficientes. Eles até poderiam ser na época em que foram lançados, mas não mais.


Consumo de energia de vários processadores. Fonte: http://www.hardware.com.br/noticias/2010-07/p4xatom.html


O gráfico acima, obtido desta matéria, ilustra bem o que foi dito. Um nobre Pentium 4, quando em sua capacidade total, pode consumir até 164W, ao passo que um Atom nas mesmas condições consome, no máximo, 33W. Isso, é claro, sem considerar o resto dos componentes do computador antigo.


Intel NUC. Fonte: https://www.intel.com/content/dam/www/public/us/en/images/product/nuc-kit-d34010wykh-10509964-front-angle-2x1.jpg.rendition.cq5dam.webintel.310.155.jpg


Assim, a menos que você tenha dinheiro de sobra ou esteja disposto a construir uma mini usina solar ou eólica só para alimentar aquele computador antigo, infelizmente é hora de dizer adeus. Hoje existem várias opções interessantes, como o Intel NUC e as soluções embarcadas, que consomem uma quantidade mínima de energia e, portanto, podem fazer a diferença no final do mês.


Por mais que doa admitir, a época dos computadores antigos ressuscitados com Linux já acabou faz tempo. Ao menos, aqui no Brasil.

Comentários

  1. Excelente post!

    Ainda mais hoje em dia onde você pode montar o seu servidorzinho usando um raspberry pi consumindo apenas uns 5W de energia.
    Se usar um pi 2, da até pra usar como desktop simples.
    Infelizmente é inviável manter um computador antigo para esse tipo de tarefa.

    Acho até que as distribuições deveriam fazer compilações de kernel usando flags mais modernas, mantendo a versão "i586" somente como fallback. Assim creio que ao usar melhor cada processador o consumo cairia ainda mais.

    ResponderExcluir
  2. "A menos que você seja um militante do PT, é sabido que estamos atravessando uma das mais graves crises econômicas de nossa História."

    Engraçado, eu devo viver em um mundo paralelo... não vejo amigos ou conhecidos que são militantes do PT negando crise alguma, já os "militantes" de um certo partido com bico parece ter amnésia profunda para lembrar algumas coisas.

    Anyway, artigo interessante. Exatamente o consumo de energia que me vez remover um core2duo que ficava ligado constantemente na minha casa por um Raspberry PI 2(mumble, owncloud...) e mesmo assim considerando desligar até até este e o modem para ver se enxuga um pouco mais.

    ResponderExcluir
  3. Mas quem é que disse que isto só ocorre no Brasil ?
    Na União Européia a situação é ainda mais grave, os custo de energia por lá são BEM maiores que por aqui, e mesmo uma máquina de menos de 10 anos está sendo substituída por uma de última geração para diminuir o consumo de eletricidade !
    E, para ser franco, eu não acho que isto seja uma coisa ruim ....

    ResponderExcluir
  4. Matéria tendenciosa em vários pontos. Não sou petista, mas não su alienada nem puxa-saco de rede globo, e sei que o mundo está em crise. Além disso, como alguém que se formou em biologia sei que os gastos com energia elétrica em termos ambientais é menos nocivo do que a índústria de computadores, que utiliza centenas de componentes e matérias extremamente poluentes, tanto na sua extração e refino, quanto em seu uso. Em termos econômicos, vale a pena trocar de computador? Nem isso eu considero, pois o consumo médio de um computador ligado 5 horas por dia é menos do que a metade da prestação de um único mês de um computador novo das casas bahia parcelado em 14 vezes. Porém, concordo que placa de vídeo e monitor de raios catódicos fazem a conta aumentar, e devem ser trocados SIM! Em termos de trocar um pentium por um atom, tenho ressalvas; alguns atom tem dificuldade em ser reconhecidos plenamente pelo kernel linux, mas isso é questão somente de tempo para a adequação.

    ResponderExcluir
  5. A crise existe e é mundial. Ela não foi criada pelo PT. Parte de nossa crise tem que ser creditada à um senadorzinho safado e golpista que está fazendo de tudo para empurrar o Brasil para o buraco só para ele ser presidente.
    Ótimo artigo. Realmente não dá mais para resolver o problema do lixo eletrônico com o Linux. O custo da energia tem que entrar no cálculo.

    ResponderExcluir
  6. Esses valores do gráfico da evolução do preço da energia elétrica são nominais ou foram corrigidos? Pois se não foram corrigidos a comparação não é direta, por exemplo, os R$ 332,20 de 2012 são equivalentes a R$ 438,08 em 2016 (IGP-M), portanto o aumento real seria bem menor. Usando o IPCA o valor presente seria R$ 444,10.

    ResponderExcluir
  7. Falando somente do ingrediente político eu diria, o que está em jogo no brasil vai além das crises, naturais no sistema capitalista. Pra quem não se lembra FHC havia em 2002 assinado um pré acordo pra doar a base da Alcântara no Maranão aos Norte Americanos, estaria-mos alí dando um enorme passo para a Internacionalização da Amazônia, lá seria uma base militar Norte Americana, na qual para adentrar, um brasileiro teria que pedir a eles permissao.

    ResponderExcluir
  8. Os portugueses catando comida nas lixeiras dos restaurantes, os espanhóis se formam e não têm emprego, os argentinos sofrem um aumento de sete vezes na conte de luz, um terço dos gregos fica sem luz, voltando a era medieval; enquanto isso no Brasil, duas senhoras se estapeiam numa loja de departamentos para ver quem leva o último iPhone. É, nós estamos mesmo numa crise terrível.

    ResponderExcluir
  9. Parabéns pelo artigo e pela coragem.

    ResponderExcluir
  10. Este site está com uma propaganda no lado direito da tela que impede a leitura da página pelo celular, na parte inferior também uns ícones o que diminui a tela.

    ResponderExcluir
  11. André, este exemplos de computadores antigos que você usou na realidade são antiquíssimos. Duvido que alguém use para alguma coisa prática, é mais o desafio mesmo de ressuscitar um fóssil. :-)

    Seria legal testar os primeiros processadores com arquitetura AMD64, que já tem mais de 10 anos. Estou escrevendo num laptop Dell com processador Sempron monocore 2G (roda a maior parte em 800Mhz). Além disto ele tem 3G de RAM e HD SSD. O sistema é Mint + LXDE. Roda muito bem, quase sempre sem nem ligar a venotinha.

    PS: não vale a pena misturar temas políticos num post técnico.

    ResponderExcluir
  12. Vou verificar, obrigado.

    ResponderExcluir
  13. Malditos militantes petralhas, num blog de linux, estão querendo fazer uma lavagem cerebral em nós.

    ResponderExcluir
  14. Olha, na verdade tem gente que usa!
    Sou funcionário de uma universidade pública, e, infelizmente, temos recebido pouquíssimos recursos para compra de equipamentos novos. Tanto é que somente no fim de 2015 nos livramos de alguns pentium 4 que estavam por lá. Na iniciativa privada com certeza é mais fácil a troca de equipamentos, pois por lá as coisas andam com mais agilidade.
    Mas nos órgãos públicos a realidade é outra. Por coisas desse tipo é que é importante a existência de suporte de sistemas operacionais, como o Linux, a máquinas antigas.

    Me lembro muito bem que em 2011 quando estava fazendo a graduação, no laboratório que eu participava existiam duas máquinas de arquitetura Alpha, as quais usávamos como servidores. Não fosse o Linux, teríamos que tê-las abandonado muito mais cedo. Ainda em 2011 finalmente conseguimos verba para comprar novas máquinas, já usando arquitetura x86; do contrário teríamos que manter os servidores antigos usando o Linux. O pior é que nenhuma distribuição suportava a arquitetura na época, com exceção do Gentoo. Seria então o Gentoo ou algum *BSD.

    As máquinas eram parecidas com essa: http://www.compaq.com/alphaserver/images/ds20_angle.jpg. Só não tenho certeza se o modelo era exatamente esse. De qualquer forma, esse modelo de máquina foi fabricado em torno de 94!!!! Quase 20 anos depois ainda a estávamos usando

    ResponderExcluir
  15. Embora eu concorde com o André Machado, ressalto que com a alta do Dólar, usar um sistema atual pode não ser a melhor saída; mas com os custos altos por Kw/h. É preciso ir pra planilha.

    Ps.: Eu não faço parte desse partido da Estrela ou daquele partido de Tucano. Pra mim são dois lados da mesma moeda: Esquerda carnívora e herbívora.

    ResponderExcluir
  16. Se você e basear em capitais, talvez, mas muitas cidades metropolitanas e do interior ainda usam esses equipamentos "antiquíssimo". Um supermercado da minha cidade, até pouco tempo, usava esse tipo de computador em seus caixas com Windows 95! A CEF usava NT 4.0 nos seus terminais - e o BB, OS/2 - até bem pouco tempo atrás. Minha Universidade ainda tem alguns computadores com essa configuração. A vida não é o Tecnoblog!

    ResponderExcluir
  17. Seu comentário é uma prova de que saiu da cabeça de um descerebrado que, não só já sofreu uma lavagem cerebral, mas perdeu o próprio cérebro. Foi André, num pretenso artigo técnico, que citou os militantes do PT. Lamentáveis ambas as posições!

    ResponderExcluir
  18. Dependendo do equipamento e da aplicação, underclock e undervolt podem ser uma saída, por exemplo, um Athlon 64 tem potência de sobra pra um servidor de arquivos, mesmo setando o clock em 800MHz e baixando a tensão do processador de forma permanente. Agora máquinas mais antigas, especialmente aquelas sem portas SATA ou USB 2.0 fica mais difícil, talvez encaminha-las para a reciclagem seja a melhor saída.

    ResponderExcluir
  19. Verdade! Já até falei para o meu pai comprar o micro novo do que tentar arrumar os antigos. A economia de energia e manutenção é muito mais barata, além disso, o processamento também é muito melhor no micro novo. Para ter o mesmo processamento do micro novo, teríamos que ter uns 2 ou três micros antigos em cluster para ter o mesmo processamento. Consequentemente, o custo energético seria muito grande!

    ResponderExcluir
  20. Crise? Seus idiotas. Aeroportos cheios e shoppings lotados. Cadê a crise? A crise só aparece para quem é vagabundo e quer dormir até meio dia! Porque pra quem tem dinheiro a crise não chega.

    ResponderExcluir
  21. Pra quem paga impostos abusivos há crise sim! No mínimo você deve receber mortadela de graça + R$35,00 reais no bolso para defender o crime organizado titulado de PT!

    ResponderExcluir
  22. Existe uma coisa chamada Energia Solar Fotovoltaica e outra chama geradores de emergenicia por ação mecanica ou de combustiveis alternativos..no qual você não citou ou seja você está errado.

    ResponderExcluir
  23. O meu compadi,eu sei quem você é,é o cara que ajuda as pessoas com o Manjaro,bom,computadores antigos acabar,sei não,estou lhe escrevendo de um Amd semprom ,com 2 giga de Ram,com uma placa imunda chamada Pcware,instalei o Xubuntu,yakkety yak,gravei uma iso com o yume,e voi lá,está o bicho de volta,não vou instalar windows nele nem a páu..
    é claro né meu chapa,que máquinas antiiiiiiiigas,abaixo do pentium 4,né,já tá na hora de jogar no lixo e tacar fogo,infelizmente em alguns lugares,pcs muito velhos estão rodando programas de DOS ainda,ai,nada que o FreeDos um pouquinho mais atualizado não resolva,tem um supermercado aqui na minha cidade rodando windows vista,olha que bizarro,rodando programa importante,de ler scanner de codigo de barras e consulta de preços,cara,se puder pinte lá na comunidade 2 do oficina do tux no telegram

    ResponderExcluir
  24. Você está me confundindo com outra pessoa...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como acessar configurações avançadas no Sagemcom F@st 2704N

NOVO TUTORIAL: GUIA DEFINITIVO DAS CONFIGURAÇÕES AVANÇADAS DO SAGEMCOM F@ST 2704N!
Atualização 23/01/2015: Alguns problemas apontados e descobertos nesse modem:
1. Alguns usuários relatam dificuldade em salvar alterações na configuração ADSL;
2. Não sei como acessar os logs do modem; mesmo habilitando, eles não aparecem;
3. Se você trocar o DNS do modem, ele voltará ao da Oi ao ser reiniciado;
4. Estou enfrentando alguns problemas sérios de lentidão. Não sei se isso é relacionado ao modem ou a algum dispositivo na minha rede interna.
-----
Os modens da marca Sagemcom estão se tornando muito populares no Brasil, não, quiçá, por sua qualidade, mas porque eles são os atuais queridinhos das operadoras: quando você assina um plano ADSL, geralmente a operadora envia um modem wireless para sua casa a fim de que você possa navegar sem precisar ter gastos extras com esse equipamento. É claro que os equipamentos fornecidos pelas operadoras são básicos, mas saciam as necessidades dos usuários comuns - …

O Guia Definitivo das configurações avançadas no Sagemcom F@st 2704N

Há alguns meses, eu contei minha experiência com o Sagemcom F@st 2704N e tenho recebido diversos comentários sobre suas configurações avançadas. Agora que minhas aulas na faculdade estão acabando, resolvi reservar um tempinho para explorar melhor esse modem que, diga-se de passagem, é muito bom.