Pular para o conteúdo principal

MEC empurra mais um serviço proprietário para professores

Este artigo não representa mais minha visão sobre o software livre e está sendo mantido aqui apenas por razões históricas. Para minha visão atual, veja este artigo.


Primeiro foi o anúncio da distribuição de tablets com Android para professores, produto esse que, para ser utilizado plenamente pelo usuário leigo, exige que a pessoa tenha uma conta na Google. Agora foi anunciado mais um acordo com outra empresa de tecnologia privativa: a Amazon.



O que vai acontecer é que os livros didáticos serão convertidos para o formato do Kindle e serão distribuídos pela Amazon utilizando a tecnologia Whispercast. E a empresa ainda sai posando de boazinha. Segundo notícias publicadas na Folha de São Paulo e na InfoExame "Amazon entrega de graça ao Brasil tecnologia para converter livro didático em digital" (não, não vou publicar os link porque me recuso a aumentar a visibilidade dessas publicações ordinárias, procurem pelo título que vocês chegam na reportagem).


O título da reportagem já é maldoso e enganador. A Amazon não está "entregando" nada pra gente. Está simplesmente oferecendo o serviço sem cobrar nada. E alguém aí conhece alguma empresa que trabalha de graça??? Na verdade é o governo quem está entregando uma enorme base de dados de usuários para a empresa, a custo zero. E ainda forçando as pessoas a assinarem esse serviço, caso contrário elas não terão acesso aos livros. O festival de desinformação continua com a fala do diretor da Amazon.com.br: "Ele ressaltou que os educadores que utilizam o aplicativo gratuito de leitura Kindle conseguirão ler, destacar, fazer anotações e utilizar o dicionário diretamente nos livros didáticos, mesmo quando os tablets não estão conectados à internet.". Existem diversos leitores de PDF que permitem fazer exatamente a mesma coisa. Ou seja, essa não é uma tecnologia específica do Kindle. Não é nem mesmo uma tecnologia exclusiva de e-book.


Tá difícil conseguir mais detalhes sobre como vai funcionar, mas se for igual ao modelo tradicional do Whispercast (que funciona nos EUA), o formato utilizado pelos livros é o do Kindle, que é proprietário e ainda tem suporte a DRM embutido. Ah, e um detalhe. Até onde eu sei, não é possível abrir um livro nesse formato em outro aparelho e/ou conta que não aquele(a) utilizado para baixá-lo (mas posso estar errado nisso, porque, como eu disse antes, não existem detalhes de como vai funcionar essa distribuição de conteúdo pelo MEC).


O pior disso tudo é que existe o formato ePub, que segue padrões abertos e permite a inclusão de conteúdo rico, inclusive interativo, utilizando HTML5 e JavaScript. E esses documentos não ficam presos ao dispositivo onde ele foi baixado. Pode ser livremente distribuído pra qualquer outro dispositivo. Quem quiser ver isso funcionando na prática, tem esse vídeo com uma palestra do Jomar Silva (e aqui os slides). E quem quiser brincar com isso, tem essa documentação detalhada (e em português) da IBM.


Ou seja, de novo, um órgão do governo caindo no canto da sereia do software privativo, que vem disfarçado de "inovação", "simplicidade" e "gratuidade". E quem vai pagar o pato no final são, de novo, os usuários.


https://www.youtube.com/watch?v=wgMMht_HYSs  (vídeo citado)


Texto originalmente publicado na rede social livre Diáspora.

Comentários

  1. Infelizmente o software livre está perdendo espaço por um conjunto de decisões erradas do governo. A primeira delas é vender do SL como algo grátis, sem necessidade de retornar qualquer tipo de contribuição. Outro erro foi ter empurrado o SL para desktop sem qualquer treinamento prévio o que fez muitos usuários do serviço público aos poucos preferirem voltar para as soluções proprietárias. Os lideres políticos não tem ideia do que é o SL e/ou não tem interesse em uma adoção responsável do mesmo. Eles só tem interesses de curto prazo e que mais os convenham.

    ResponderExcluir
  2. Aì vai o documento

    http://www.internet100.org/arq/kindle_reader.pdf

    Não é coisa de hoje.

    Este manual é de agosto

    ResponderExcluir
  3. In fact when someone doesnt understand then its up to other visitors that they will help, so here it takes place. dakkcfdbkcbc

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como acessar configurações avançadas no Sagemcom F@st 2704N

NOVO TUTORIAL: GUIA DEFINITIVO DAS CONFIGURAÇÕES AVANÇADAS DO SAGEMCOM F@ST 2704N!
Atualização 23/01/2015: Alguns problemas apontados e descobertos nesse modem:
1. Alguns usuários relatam dificuldade em salvar alterações na configuração ADSL;
2. Não sei como acessar os logs do modem; mesmo habilitando, eles não aparecem;
3. Se você trocar o DNS do modem, ele voltará ao da Oi ao ser reiniciado;
4. Estou enfrentando alguns problemas sérios de lentidão. Não sei se isso é relacionado ao modem ou a algum dispositivo na minha rede interna.
-----
Os modens da marca Sagemcom estão se tornando muito populares no Brasil, não, quiçá, por sua qualidade, mas porque eles são os atuais queridinhos das operadoras: quando você assina um plano ADSL, geralmente a operadora envia um modem wireless para sua casa a fim de que você possa navegar sem precisar ter gastos extras com esse equipamento. É claro que os equipamentos fornecidos pelas operadoras são básicos, mas saciam as necessidades dos usuários comuns - …

O Guia Definitivo das configurações avançadas no Sagemcom F@st 2704N

Há alguns meses, eu contei minha experiência com o Sagemcom F@st 2704N e tenho recebido diversos comentários sobre suas configurações avançadas. Agora que minhas aulas na faculdade estão acabando, resolvi reservar um tempinho para explorar melhor esse modem que, diga-se de passagem, é muito bom.