Pular para o conteúdo principal

Ubuntu: inimigo nº 1 do software livre no Brasil

Este artigo não representa mais minha visão sobre o software livre e está sendo mantido aqui apenas por razões históricas. Para minha visão atual, veja este artigo.


Em um dos raríssimos momentos de sobriedade daquilo que chamam de blogosfera nacional,  Anahuac de Paula Gil publicou em seu blogue um interessante artigo no qual expõe aquilo que muitos usuários de software livre já estavam cansados de engolir calados: o fato de o Ubuntu, a mais popular distribuição de Linux da atualidade, aniquilar a liberdade de software, um dos maiores diferenciais do movimento do software livre.




Em meados da primeira década do século XXI, a FSF e uma série de visionários vislumbraram um futuro onde o Ubuntu se popularizava de tal forma que muitos usariam GNU/Linux sem nem mesmo saber o que era isso. Alertaram a todos sobre os riscos da quantidade e disseminação desqualificada, ou seja, muito Linux e pouco GNU, muito uso e pouco entendimento, muito código e pouca filosofia, muito compartilhamento e pouca liberdade: o triunfo do Open Source sobre o Free Software.



Mal ele publicou uma cópia de seu texto no site BR-Linux (que, de Linux, só tem o nome, pois seu curador é, assumidamente, um usuário dos produtos da Maçã) que uma acirrada discussão com centenas de comentários, foi instaurada.



Os comentaristas daquele site basicamente tentam, a todo custo, defender o sistema da Canonical através de argumentos falhos. Como se não bastasse o uso indiscriminado da falácia lógica ataque ad hominem contra o autor do texto, os "intelectuais" daquele site caem em dois argumentos típicos:




  • Eu sou livre para escolher usar o que eu quiser;

  • Eu prefiro a situação atual à anterior.


Ambos os argumentos são falhos conforme será explicado a seguir.



Ubuntu e liberdade


Os usuários de Ubuntu que comentam no BR-Linux associam, erroneamente, a ideia de software livre com a liberdade de se usar o que a pessoa bem entender, o que pode ser visto como outro sintoma da "ubuntuzação" do software livre. Cabe relembrar, então, que em meados dos anos 80, a Free Software Foundation definiu um conjunto de quatro liberdades as quais todo software deveria obedecer a fim de ser considerado livre:





  • A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito (liberdade 0).

  • A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo às suas necessidades (liberdade 1). Para tanto, acesso ao código-fonte é um pré-requisito.

  • A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao próximo (liberdade 2).

  • A liberdade de distribuir cópias de suas versões modificadas a outros (liberdade 3). Desta forma, você pode dar a toda comunidade a chance de beneficiar de suas mudanças. Para tanto, acesso ao código-fonte é um pré-requisito.



Dessa forma, se um software falha em cumprir qualquer uma dessas liberdades, ele não pode ser considerado livre. Por exemplo: o plugin do Flash para GNU/Linux pode ser obtido gratuitamente, mas o usuário não tem acesso ao seu código fonte e, muito menos, pode modificá-lo e distribuir as versões por ele modificadas. Por isso, o plugin Flash, apesar de estar disponível gratuitamente, não é software livre.


O erro dos defensores do Ubuntu é atropelar essas quatro liberdades e afirmar que nenhum sistema pode ser livre se o usuário não possuir a liberdade de instalar o que bem entender - independente da licença de uso do que esteja sendo instalado. Richard Stallman deixou essa questão bem clara em uma entrevista à Linux Magazine, ao afirmar que




Liberdade não é liberdade de escolha. Ter a opção de se acorrentar reduz sua liberdade. É simples: engana-se quem identifica liberdade como liberdade de escolha, porque a liberdade de se permitir acorrentar não aumenta a sua liberdade - provavelmente a diminui.



[caption id="attachment_1046" align="alignnone" width="300"]Aplicativo proprietário disponível no software center do Ubuntu. Loja de aplicativos do Ubuntu oferece programas proprietários para instalação.[/caption]

Partindo-se desse ponto de vista, vemos que o Ubuntu pode ser facilmente eleito como o maior inimigo de nossa liberdade de software.  Sua central de aplicativos oferece, indiscriminadamente, não apenas plugins, mas também softwares proprietários, à disposição do usuário com apenas poucos cliques.


Além disso, cabe destacar os serviços completamente dispensáveis que já vem embutidos por padrão na distribuição, como o Ubuntu One - que, apesar de o aplicativo ser livre, acessa serviços proprietários em nuvem - e as polêmicas parcerias comerciais, como aquela que envia, por padrão, os dados do usuário aos servidores da Amazon (mesmo que o usuário afirme que essa opção possa ser desativada, qual a certeza de que a mesma não continua funcionando escondido?).


Como se não bastasse tudo isso, hoje temos um inimigo maior ainda: a nuvem, totalmente apoiada pela Canonical. Afinal, de nada adianta o usuário usar um sistema completamente livre se ele o utiliza para acessar serviços proprietários, como Facebook, Linkedin, Twitter, entre outros. A integração do ambiente Ubuntu com as redes sociais, que rastreiam os hábitos de navegação do usuário, traçam seu perfil e vendem essas informações a terceiros, é mais um soco no estômago da Liberdade de Software.


Assim, vemos que o Ubuntu não é uma distribuição de Linux como as demais, mas uma plataforma de negócios que tem, por objetivo primário, encher os cofres da Canonical às custas da liberdade e da privacidade do usuário.



Da Orkutização à Ubuntuzação


Um forte argumento utilizado na discussão do BR-Linux é que a situação atual do software livre está melhor daquela que existia antes da ascensão do Ubuntu. Esse ponto é amplamente questionável.


Como se não bastasse nossa "blogosfera" tecnológica nacional já estar entupida pelo lixo textual produzido pelos tecnoblogues e meiobites da vida, os sites ditos "especializados" em Linux, excluindo-se aqueles que são voltados a alguma distribuição específica - como o Mageia Brasil ou o Slackware Brasil, por exemplo -, na maioria das vezes assume que o leitor está ou estará usando Ubuntu ou algum de seus derivados para seguir algum tutorial relacionado à instalação de programas ou à resolução de problemas.


Logotipo do Ubuntu com um sinal de proibido


Embora os defensores do sistema da Canonical possam dizer que isso se deve ao mercado e ao fato de a distro ter conseguido se destacar entre as demais, vemos que, aí, está clara a existência da famosa zona de conforto, o que pode - e certamente vai - intimidar os usuários que começaram sua caminhada no mundo livre por outra distro. Se eu tenho um problema no OpenSuse, mas só encontro textos com soluções para ele no Ubuntu, embora saibamos que, tecnicamente, a solução é a mesma, é mais provável que o usuário escolha mudar de distro porque, no Ubuntu, as coisas funcionam e há (supostamente) mais documentação disponível.


Essa situação também faz o mercado de refém. Uma pessoa que se disponha a trabalhar com Linux em uma empresa que usa CentOS poderá argumentar que não se sente a vontade com o sistema. Embora o mais lógico fosse o patrão mandar embora aquele folgado e pegar alguém competente,  a longo prazo isso pode causar uma padronização forçada para o sistema da Canonical no mundo corporativo.


Além do fato de a maioria dos sites "especializados" assumir a onipresença do Ubuntu, temos o agravamento da superficialização do conteúdo. Se nos anos 90 e no início da década passada era comum encontrarmos sites com dicas e tutoriais com conteúdo técnico excelente e bem aprofundado, hoje a maioria dos "conteúdos" se resume a reviews superficiais de aplicativos, em sua maioria gráficos, e, também, de smartphones. A maior prova disso é que o famoso Guia do Hardware, do mestre Carlos Morimoto, referência no período supracitado, hoje, está às traças.


Como se não bastasse tudo isso o Ubuntu contribui para a terrível obsolescência programada através de versões cada vez mais pesadas e de "inovações", como o ambiente Unity e o Mir, totalmente dispensáveis e que só têm como objetivo centralizar ainda mais o sistema nas mãos da Canonical. Prova disso é esta declaração, postada por um site dedicado ao sistema em uma rede social, a qual induz o leitor a trocar seu equipamento para acompanhar a "evolução" do Ubuntu, igual àquele outro famoso sistema.


Igualmente, o argumento de que, na contemporaneidade aumentou-se a produção do software livre é falho, pois ao menos no Brasil os usuários não possuem conhecimento para tal. No máximo, eles criam um shell script mal-feito seguindo tutoriais da internet mas, na hora de criar algo sério, com algo na linguagem C, padrão no mundo Unix-Like, dão um jeitinho de cair fora.



Conclusão


Hoje, está mais do que claro que o Ubuntu é nocivo à liberdade de software e à nossa privacidade digital. A maioria dos argumentos que visam a defender a plataforma comercial da Canonical não possuem uma forte sustentação e são, em muitos casos, tentativas desesperadas dos usuários do sistema para continuarem em sua zona de conforto.


É lamentável que os preceitos verdadeiros da Liberdade de Software estejam sendo esquecidos, mas isso já era esperado. O problema é que essa situação só tende a piorar.

Comentários

  1. Vá vá ..mais um romantiCUZINHO, ...

    ResponderExcluir
  2. André,
    Vou te contar uma coisa que acho que você não percebeu. Nem todo mundo sabe programar, e para quem não sabe programar pouco importa se o código fonte é aberto. O importante é ser gratuito (ou com um custo aceitável) e de qualidade e é nesse público que o Ubuntu mira.

    ResponderExcluir
  3. Perai amiguinho tem uma "baita mentira no seu artigo'. não tinha ninguém defendendo a canonical ou o seu modelo no Br-Linux, tinha só falando mal em uma ou duas citações. acho melhor arranjar outro jeito de conseguir um ibope.

    ResponderExcluir
  4. Antes eu não levava muito a sério considerar Ubuntu como potencial perigo ao SL. Mas estou revendo o meu posicionamente, face aos virulentos ataques que tenho testemunhado contra Anahuac e, provavelmente, iniciar-se-á contra André Machado. Se fosse uma constatação sem grandes consequências, simplesmente seria ignorada, porém esta resposta exagerada mostra que mexeu com brios de muita gente.

    Eu não acredito que tenha diminuído os contribuintes e simplatizantes do SL no Brasil. O que tem acontecido é que muita gente de pouca conscientização tem se beneficiado do SL e ocupado os espaços que outrora majoritariamente eram do movimento.

    Triste sinal é ver que BR-Linux está tomado por gente com essa visão imediatista de liberdade (Augusto que me perdoe, mas o blog está se afastando cada vez mais do SL). Na lista de usuários lusófonos do Debian vejo coisa semelhante nesse mesmo tópico, só que em escala menor. Agora acabo de me convencer que o Ubuntu é um canto da sereia.

    ResponderExcluir
  5. Você está tirando conclusões com base na sua paixão pelo software livre o que não permite você avaliar outros prismas dessa questão. Você deve incluir questões corporativas, comerciais, entre outras no seu post, obtendo uma visão mais ampla. Por exemplo, é importante colocar em discussão o porquê do Ubuntu utilizar softwares proprietários. Será que os softwares livres para certos casos não são ineficientes ou inexistentes?

    ResponderExcluir
  6. Eu acho meio exagerada sua visão até porque o SL é muito mais forte do que alguns comentários de um site, o que vejo mais hoje é que muita gente em vez de divulgar o SL perde tempo com outras coisa como falar mal da Microsoft ,Google, Apple , Canonical etc. etc. etc.poderiam ter usado esse tempo fazendo artigos dos milhares de projetos do SL. tem muitos serviços e softwares SL que eu mesma desconheço. meu pai fala que o nível intelectual dos artigos como o de hoje é muito baixo e não tem como exigir um nível alto de discussão e que os artigos antigamente eram simples mas muito bem escritos e sempre tinha um foco principal que era divulgar o SL. Quanto ao Augustos acho que você ta errado mas não vou estender mais ainda o texto , de qualquer forma respeito sua opinião.

    ResponderExcluir
  7. "O que tem acontecido é que muita gente de pouca conscientização tem se beneficiado do SL e ocupado os espaços que outrora majoritariamente eram do movimento."

    Concordo com tudo que disseste. O número de usuários comprometidos com o verdadeiro software livre pode até não ter diminuído, mas o fato é que a "Ubuntuzação" do GNU/Linux fez aumentar, em muito, o número daqueles que só querem usar os programas sem pagar nada e estão nem aí para a nossa liberdade.

    Quanto ao BR-Linux, ele já foi, há muito tempo, uma grande referência ao SL nacional. Hoje, seu mantenedor é, assumidamente, um usuário de Mac e aquele site só tem fins monetários. Duvido, inclusive, que muitos dos comentaristas de lá usem realmente GNU/Linux.

    ResponderExcluir
  8. Será que a dependência dos softwares proprietários não inibe o desenvolvimento de softwares livres mais eficientes para essas finalidades?

    ResponderExcluir
  9. " ... na maioria das vezes assume que o leitor está ou estará usando Ubuntu ou algum de seus derivados para seguir algum tutorial relacionado à instalação de programas ou à resolução de problemas."
    Falou tudo! é lamentável quando você se depara com algum erro ou com algum novo aplicativo e vê que o mesmo só tem para o Ubuntu.

    ResponderExcluir
  10. Uso o ubuntu em casa, apesar de mudar com frequência. Já usei outras distros, e até gosto muito do Open Suse. Porém, não sou programador e não tenho tempo para estudar a fundo programação (tenho noções básicas). Assim, tudo que preciso com outra distribuição além do Ubuntu é potencialmente mais demorado (porque preciso sair a catar na internet uma forma de fazer ou aprender "na marra"). Pro usuário comum, no fim, o Ubuntu é a melhor solução.
    Mas tem uma vantagem: pelo menos no Brasil, o Ubuntu ajuda bastante a conter a pirataria.

    Se programação fosse ensinada nas escolas como conteúdo básico (o que penso estar na hora de acontcer) talvez o futuro fosse mais promissor para o SL nacional.

    ResponderExcluir
  11. tem muito SL que são eficientes mas é pouco divulgado, talvez se as pessoas se preocupassem em divulgar mais o SL e deixar de perder tempo de criticar empresas tudo seria bem mais produtivo. mas parece ta na moda agora pra poder ganhar um ibope.

    ResponderExcluir
  12. O Ubuntu é um modelo de negócios baseado em software livre, assim como o RHEL também é. Porque simplesmente não entendem isto? Até a FSF indica uma remasterização do Ubuntu, feita pela Canonical e pela comunidade do Ubuntu, só com softwares livres. Qual o problema de ganhar dinheiro com software livre?

    Ah, estão tirando a sua liberdade porque você não gosta que alguém ganhe dinheiro com ela. É com estes ideais que centenas de programadores desistem anualmente de trabalhar com software livre, pois mesmo que o software seja excelente ninguém vai remunerar o programador....

    ResponderExcluir
  13. Uma opinião lúcida sobre o assunto: http://esr.ibiblio.org/?p=4371

    ResponderExcluir
  14. Onde que o autor disse que há um problema em se ganhar dinheiro com software livre?

    Desde quando o Trisquel faz uso das mesmas artimanhas que o Ubuntu? Você sequer já o usou?

    Ganhar dinheiro com software livre é aceitável. Ganhar dinheiro de formas imorais usando o software livre como distração, não.

    ResponderExcluir
  15. Rapaz, que texto podre. O Ubuntu puxou o Linux para mais usuários do que todos os outros juntos. Sou fã do Slackware e comecei com ele em 1994. Então tenho bagagem para falar. Softwares proprietários, sim, o Linux sempre teve softwares proprietários nele. Você quer fechar o linux para só softwares livres? Então quer dizer que utilizar software livre no Windows é errado? Cara, ridículo, pense. Dê mais uma pesquisada na FSF, e veja um contradição deles que o próprio Linus comentou. Você quer um sistema que não existe. Você quer ser uma Cuba, e veja a situação deles. Você quer ser uma Coréia. Faça-me o favor, isso não existe, é pensamento pequeno. Pense novamente nessas idéias e reflita, depois disso, apague essa sua matéria ridicula.

    ResponderExcluir
  16. Queria saber se o pessoal que demoniza a canonical saberia informar que todo usuário de software livre deveria ter a obrigação de saber programar e fazer o que quiser com o código do sistema, as pessoas que querem apenas fazer suas tarefas cotidianas não se interessam por isso, da mesma forma que ela tem um automóvel não querem saber como fazer para consertá-lo quando der um problema, querem apenas usá-lo e atingir os seus objetivos, o Ubuntu está popular porque facilita muita coisa aos usuários, e não existe lanche grátis, mesmo os desenvolvedores do software livre precisam comer, beber e pagar suas contas, além de gostar do que faz, é importante ter o reconhecimento do seu trabalho ganhando o suficiente para o seu sustento e divertimento.

    Antonio Carlos

    ResponderExcluir
  17. Acontece, que quando o Linux era um "nicho" restrito de detentores da "sabedoria suprema", eles se achavam os oráculos dos 'deuses", muitas coisas eram "cabalisticas" e enigmáticas. Falo isso porque sou da época em que se instalava slackware 3.0 com disquetes: a1, b1 , k1 etc e tudo baixado em conexão discada de modem 14.4 kbps. E quando se entrava nas listas de discussão os "caras" mais informados, eram como "semideuses", e certos questionamentos como qual a diferença entre c: e sda1, era dúvida de newbie e lhe metiam o chicote ordenando a pesquisar. Agora a popularização tira esse pseudo status de "donos" da verdade . Isso incomoda!

    ResponderExcluir
  18. O André está certo, e é bom atentarmos mais para suas observações, apesar de ser um texto afirmativo, ele também é reflexivo dependendo de quem e de que forma o lemos.
    Eu também sou um simples usuário, mas já acompanho esta questão a muito tempo, motivo pelo qual elogio a opinião do André. Contudo os críticos também tem razão, com exceção dos que defendem o uso do software proprietário(fechado) pelo fato de não querer ser livre, de não querer aprender como as coisas funcionam, pois esta é uma das propostas do software livre e do GnuLinux. Acho bom termos o Ubuntu, com uma série de facilidade para usuários leigos do GnuLinux, mas nesta distribuição existem muitos elementos que aos poucos está nos levando de volta ao mundo das trevas. Também devemos ser educados em se opor a um ponto de vista diferente, pois acima de tudo somos aprendiz, e muitos foram condenados por ter uma visão ampliada para o seu tempo. Lembre-se disto!

    ResponderExcluir
  19. Vou deixar minha opnião aqui,

    Provavelmente levarei "chicotadas comentaristicas" depois dela, mas o que conta é que pelo menos lerão rsrs

    O artigo tem um grande fundamento, realmente, o Ubuntu é um problema pro software livre.

    Porém, achei os pontos que você postou um pouco falhos e meio exagerados, digo isso, pois sou usuário linux há 8 anos, sendo que pelo menos 3 desses uso 100% linux em todos os meus dispositivos. Sou apaixonado pela filosofia de software livre e sou desenvolvedor, tenho meus próprios projetos, onde práticamente todos eles são disponibilizados sobre a GPL ou alguma licensa similar como BSD, MIT ou Apache. Além de tentar participar do projeto do Wine que faço uso extensivo e auxilio nos testes e debug da aplicação (já que é uma comunidade grande e é um software extremamente complexo).

    Não estou falando tudo isso para mostrar o quão sou um usuário "dedicado" e me por em um pedestal acima de outros, inclusive, devem existir usuários tão ou mais antigos que eu tanto leitores quanto escritores. O meu ponto é que, eu ainda utilizo softwares proprietários como por exemplo o flash player citado no tópico.

    A grande diferença está nos usuários atuais não saberem diferenciar o software livre do software gratuito, pois o Ubuntu indusiu essa abordagem.

    O Ubuntu entrou no mercado como um Linux, mas como um linux comercial, pro usuário final o ubuntu era um windows gratuito desenvolvido por uma empresa a fim de lucrar com ads ou algo do tipo, assim como são feitos em muitos serviços e não como software livre, apesar do mesmo ser software livre.

    Quanto ao Ubuntu ter integração a redes sociais, a opção de adição de software proprietário, não vejo problema nisso, o problema está em tirar o controle do usuário sobre tudo isso, por exemplo, no caso das informações para a Amazon, no quase que obrigatório cadastro para o Ubuntu One e na não explicação: olha isso é um software livre, funciona assim assim e assado.

    Outro grave problema é justamente o que aconteceu com a internet, todo mundo simplesmente assume que você está usando Ubuntu e ignora todas as outras distribuições existentes.

    A questão do Stallman em relação ao software proprietário tem um ponto muito simples, você deve separar aquele software proprietário que vai te prender daquele que não vãi, vamos voltar novamente ao exemplo do Flash Player:

    Eu utilizo o flash player pois, algumas páginas dinâmicas ainda fazem o uso dele, tenho ciência de que ele é um software proprietário, os softwares livres alternativos infelizmente ainda não provém de um bom suporte ao flash, porém, uma tendencia ao HTML5 (que é um padrão livre) está tirando o flash de cena, e isso é ótimo, mas alguns sites ainda o usam, o que faz tê-lo instalado no meu computador.

    Porem, eu nunca (mesmo quando flash era uma tendencia) programei ou programarei em flash, pois eu sei que, se eu fizer isso, estarei preso ao flash, que é um produto proprietário e não tenho controle sobre práticamente nada.

    Isso acontece com muitos softwares comigo, por exemplo, como hobby desenvolvo em 3D, prefiro muito mais utilizar softwares como Gimp ou Blender, pois, são softwares que posso fazer uso em qualquer empresa que vá trabalhar e também posso fazer e públicar qualquer projeto pessoal, liberdade que não terei se usar softwares proprietários como photoshop ou maya o qual eu preciso pagar uma licensa (cara) para fazer tais coisas, e não posso fazer uma adaptação ao software para melhorá-lo se precisar de alguma funcionalidade, ou seja, nesse caso, minha liberdade vai pro espaço.

    O detalhe é que o usuário tem que aprender a saber o que é dá liberdade para ele e o que tira, e o ubuntu veio sem esse conceito, ele veio com o conceito de gratuito, freeware, não software livre,e isso bagunçou a mente de muitos.

    Ta ai minha opnião, e que os chicotes comecem.

    ResponderExcluir
  20. Perdi tempo lendo isso daí, achei que falaria de soluções ou algo interessante para enriquecer nosso conhecimento, agora falar da galera do br-linux e ubuntu escrevendo assim? Pelo amor de deus, toma rumo. Deveria ter deixado o artigo do Anahuac apenas, pelo menos ele argumenta e escreve bem. Porque esse seu artigo não elevou em nada o assunto. Abraço.

    ResponderExcluir
  21. Opinião mais sensata de todas dessa discussão.

    ResponderExcluir
  22. O modelo que a Canonical é menos nocivo que o modelo adotado pelo Google para o Android, no entanto, vejo as pessoas chamando Android de software livre. A tecnologia está evoluindo para o modelo de serviços em nuvem e o fato de existir a opção por qual serviço em nuvem utilizar, ou simplesmente não utilizar nenhum, na minha opinião, já é um fator determinante para preservar a liberdade do software.

    ResponderExcluir
  23. Bla bla bla... Esse texto é tão tosco que ficou óbvio que o objetivo é gerar ibope... e conseguiu, só não sei se vale a pena esse ibope negativo! Eu mesmo não venho mais aqui perder meu tempo lendo essas besteiras!

    ResponderExcluir
  24. É como dizer que liberdade de imprensa não me serve pra nada. Não sou jornalista!!!

    ResponderExcluir
  25. O autor desse artigo beira ao delirio. É um lunatico assim como Stallman.

    ResponderExcluir
  26. Falou tudo meu camarada. O autor ainda cita a grande frase de Richard Stallman sobre liberdade, e sobre isso, posso dizer que enquanto alguns confundem liberdade com libertinagem, outros confundem com ditadura. Será que liberdade está bem definida? O fato é que ela é ilimitada no seu eu, mas termina onde começa a do próximo, caso contrátio nem preciso dizer aqui. Só ver a banalização geral da liberdade no Brasil.

    ResponderExcluir
  27. Como se o mundo fosse feito somente de usuários capacitados não é meu amigo? Exitem pessoas que querem apenas usar um computador, apenas para necessidades básicas, e não perder tempo aprendendo todo processo complicado do linux a fundo, ou virar programador. O Ubuntu, embora tenha seus problemas, ele cumpre e muito bem seu objetivo, e pessoas simples conseguem utilizar com gosto, além de que Bill Gates soube muito bem aproveitar isso. O mundo nunca seguirá princípios fundamentais baseado em um documento qualquer, pois ele não é assim, escolhemos e fazemos o que quisermos e arcamos com isso para um aprendizado, talvez mais efetivo do que palavras fundamentadas em um simples documentos de SL. Até agora só gnu-linux como ubuntu trouxeram grandes benefícios a usuários comuns, ainda bem que não trouxe o xiitismo (Graças a Deus). Sou usuário Ubuntu/ Debian, e prefiro estar longe da sua visão de liberdade Hittler, coberta de críticas destrutivas e pouca relevância.

    ResponderExcluir
  28. Não entendi ainda como uma distribuição que leva as pessoas a utilizarem softwares livres é o "inimigo número um do software livre". Parece-me que você esqueceu o tema no meio da argumentação, ela me parece falaciosa, mesmo quando aplicada somente à filosofia do Software Livre.

    Acho que o principal problema é a classificação do dilema ético da liberdade. O Stallman, citado, resolve o paradoxo inerente à liberdade com outro paradoxo: você não pode ter a liberdade de restringir sua liberdade. A sociedade impõe limites à liberdade para garantir alguma liberdade aos outros. Minha opinião é que vocês só estão enxergando os extremos da liberdade na discussão, sem levar em consideração que ambos impõem restrições à liberdade, na prática.

    Voltando ao tema, considero o caso do Ubuntu e da Canonical como cinzento, eles facilitam tanto o uso de software livre, quanto o uso de softwares proprietários, assim como facilitam o uso de ambientes de softwares livres e proprietários de terceiros. Há algum tempo eles não tem atendido o tipo de liberdade que eu desejo ter, por padrão, mas eu tenho modificado a instalação. No momento que as modificações se tornarem irritantes ou difíceis, eu não sinto que vou ter problemas de mudar de distribuição.

    ResponderExcluir
  29. Filosofia não enxe barriga. O mercado quem da as cartas.

    ResponderExcluir
  30. Cara, falou tudo sem mais.

    ResponderExcluir
  31. O Ubuntu está incomodando muita gente fato!!!!

    ResponderExcluir
  32. Por estas opiniões do autor e do Anauac é que o software livre se apequenou. É uma cultura de destruição de qualquer iniciativa bem sucedida.

    Minha conclusão cada vez mais é, que ótimo que o software livre morreu. Viva o open source!

    ResponderExcluir
  33. Uso linux desde as primeiras versões e só tenho agradecimentos ao pessoal do Ubuntu e todas as comunidades como slckware, open suse, programadores e tal...

    A evolução do linux é muito satisfatória, drivers e algumas outras soluções...

    Tenho tralhado utilizando exclusivamente linux já ha alguns anos, o que para mim é o céu.

    Desisti do ubuntu já a uns três anos, ou quatro sei lá.
    O argumento do Sr. Machado é valido.

    Não acredito que ele é comunista ou mesmo radical, porém, há uma solução simples, troque de sistema...

    Ai está, problema resolvido, devemos procurar outras comunidades e continuar a contribuir com o linux.

    O prblema criado pelo pessoal do ubuntu vai se resolver sozinho. Quem não investir em melhoria para o usuário e pensar só em dinheiro, com o tempo, fica para trás....

    tchau † ubuntu

    descanse em paz

    ResponderExcluir
  34. Minha nossa! Cada louco que aparece!

    ResponderExcluir
  35. Concordo plenamente, mas o Ubuntu está mais pra adware, pois exibe propaganda e captura dados.

    Ubuntu One, nem se fala, querem ter em mãos os arquivos pessoais, a que ponto chegamos?

    ResponderExcluir
  36. Excelente artigo, o Brasil precisa de mais programadores, mais Software Livre.

    Nunca usei Ubuntu, eu jamais aceitaria que uma empresa qualquer coletasse informações do desktop (amazon) ou coletasse meus arquivos (ubuntu one).

    Quanto aos tutoriais, eu diria que boa parte do que é feito pra ubuntu funciona no Debian, mas ninguém fala no Debian, o Ubuntu falha ao não deixar claro que é debian-based.

    Vejo os comentários, como esses argumentos são batidos, "vocês se acham os donos da verdade", "software livre não paga minhas contas" e "eu uso linux desde 1994 me curtam no facebook". Já pensaram em fazer algo mais útil como programar?

    ResponderExcluir
  37. Meu amigo, a única coisa que eu quero como usuário de Linux é ter um sistema operacional bonito, eficiente, robusto, seguro, inovador, fácil de usar, aglutinador de um grande e crescente número de usuários, cada vez mais popular, cada vez mais próximo de fazer com o kernel do Linux o que o Google fez ao desenvolver o Android e, principalmente, que seja gratuito. Cara, na boa, não tô nem aí para essa história extremista e esquerdista de pseudo liberdade do software. O sucesso do Ubuntu reside justamente no foco sobre o usuário final, não sobre o usuário avançado, que domina a manipulação do código. O foco do Ubuntu é o usuário e ponto. Nunca, jamais, uma distribuição de Linux fez por esse SO o que a Canonical fez, faz e vai continuar fazendo através do Ubuntu. Quanto aos puristas e extremistas do software livre, os "Stalmans" da vida, resta a LIBERDADE de decidir usar Slackware, Arch, Fedora, Mageia ou que lhes der na telha. Parem, por favor, de uma vez por todas, de falar mal de uma distribuição somente porque ela foca no usuário final e na formação de uma demanda de mercado por esse produto, mais uma vez repito, a exemplo do que o Google fez com o Android. Quer saber? Essa discussão toda é tola, fútil e inútil. Uso Linux, uso Ubuntu, uso Google, uso Facebook e sou muito feliz assim. Quem quiser navegar na internet ou ouvir música digitando comandos no terminal que o faça, mas sem desmerecer ou desqualificar o trabalho enorme e bem sucedido levado à frente pela Canonical. That's it!!!!!

    ResponderExcluir
  38. Só uma pergunta: qual distribuição você usa?

    Seu texto e tópicos no fórum GdH são eivados de elitismo, ódio disfarçado e utopia. Parece um Dom Quixote da informática.

    É por causa de pessoas como você que o Linux não alcançou a simpatia do povo, foi ultrapassado na Steam pelo Windows 8 e não chega a 2% de participação global em PCs domésticos.

    ResponderExcluir
  39. Não sei porquê mas agora me deu uma vontade de começar a navegar usando o terminal...

    http://softwarelivre.org/revistaespiritolivre/blog/mozilla-passara-a-incluir-propagandas-no-firefox

    ResponderExcluir
  40. Realmente, depois dessa notícia, cheguei à conclusão definitiva de que eles não tem mais NADA para inventar. Lamentável ver velhos aliados se mudando para o lado do inimigo.

    ResponderExcluir
  41. Claro que não usam, lá a maioria usa Linux!

    Eu me recuso a usar GNU/Linux sua igrejinha só presta para fazer fofoca igual as da religião vai programar e fala lá para os caras lá programar também por que essa filosofia é um lixo o que importa é a pratica, o cara usa windows, email do google, e um monte de serviço ai que criticou e quer dar uma de donquixote, hipocrisia é pouco!

    ResponderExcluir
  42. Luís Fernando Guedes14 de fevereiro de 2014 09:16

    Ridículo é esse seu comentário.

    ResponderExcluir
  43. Nunca gostei do Ubuntu, cheio de truques aqui e ali, sempre com alguma carta na manga para gerar receita de alguma forma.
    Infelizmente a maioria das pessoas não se importam se sua vida, seu cartão de crédito está sendo armazenado em data centers e que empresários gananciosos do mundo "capetalista" ganham grandes lucros em cima dessas informações. A grande maioria como esses leitores daqui e do Br-Linux não possuem inteligencia o bastante para perceber a situação.
    Cabe a mim se proteger como posso utilizando o grande Debian e Manjaro!

    ResponderExcluir
  44. quero um sistema bom, bonito, seguro, produtivo, gratuito... bla bla bla...
    ora bolas compra um mac e usa macosx. mas se vc quer mesmo um S.O. pra gente grande, pega um slackware talvez um gentoo. mas sobretudo, abra sua mente. não existe sistema definitivo assim como nao existe linguagem definitiva ou melhor. cada um tem sua aplicação e seu objetivo. eu mesmo, uso 2 macs, 3 windows em vm, alguns linux. uso ipad, android e windows phone. e ai da sou feliz. programo em perl, php, mono c#, c, c++, objective-c, javascript, nodejs, coldfusion, e já paguei e pago por software bom e por preço justo qundo necessito.... e assim eu sou um exemplo vivo de que não exitem coisas definitivas ou melhores. existem as coisas certas aplicadas no momento e situação certs. pois bem... comentários xiitas e idiotas a parte, o lado mais interessante do comentário do andre é... o próprio comentário pois ele nos tira da nossa zona de conforto e nos leva a no mínimo vir até aqui e a nos manifestarmos. estejamos certos ou errados. ua coisa é certa: todo profissional que se acomoda se afoga em sua própria preguiça. uma coisa também é certa: ubuntu é para usuários leves ou principiantes. aí ele quase cumpre seu papel. e vendo por este ângulo, concluo que a maioria dos que estão aqui ou ali defendendo o ubuntu, deveriam pensar 2 vezes antes de se manifestar. dizer que o ubuntu é o inimigo n. 1 foi um pouco infeliz. na verdade poderíamos dizer que usuários acomodados são o inimigo n. 1 . lembre-se: a comodidade tem preço e ele é salgado e um dia a divida será cobrada. gostaria muito de proveitar o ensejo e convidar todos para uma pesquisa ampla e detalhada do uso de software e hardware no brasil vindo diretamente da fonte e não de jornais, revistas ou da globo. queremos saber que acontece ou não acontece no brasil. topam ?

    ResponderExcluir
  45. eu ja tinha lido sobre publicidade no firefox. vamos lá gente, novamente não sejam xiitas e abram suas mentes. o firefox foi/é um divisor de águas no mundo web assim como foi a respeitada netscape. devemos muito a ambos. a netscape nos trouxe o javascript e com ele o jquery, o ajax, o nodejs em outras coisas simples e permanentes em nossa vida.
    não temos direito de criticar a mozilla. eles são guerreiros: peitaram e derrubaram a hegemonia do IE. se não fosse pela mozilla e pelo firefox, os sites não rodariam no linux e nem em macs. vida longa ao firefox e a mozilla !!!

    ResponderExcluir
  46. eu to lendo comentários anteriores e fico dando risada sozinho. kkkkk
    frases como: o ubuntu incomoda, quem manjava linux era deus... kkkk
    isto não era privilégio do linux. também existia em outros mundos. mas acho que o autor do post, só vivia num mundo. era mono-mundo !! mas quando o seu ubuntu der pau será um destes deuses que vai quebrar seu galho. então mais respeito amigo. pra aquele que instalou um slack em disquete, eu instalei o windows 1.0 em disquete e ele ainda se arrastou num pc xt. senão fosse pelo dat da questão ser ampla demais eu pediria ara aquees que não programa, se retrarem do embate. os usuários low profile também assim como sys admins que também não sabem fazer um shell script se quer. quem sabe elevamos o nível para o patamar dis que de fato estão preocupados com o assunto. gostaria de agradecer ao andre. nunca ri tant...

    ResponderExcluir
  47. ah ... para aqueles que irão declarar seu ódio pela minha pessoinha saibam sem preconceitos que: já usei ubuntu e meus filhos usam ubuntu e graças a ele não precisei mais ficar reinstalando aquele outro S.O.. inclusive cheguei a pedir a canonical que me mandasse os cds de instalação. e eles de fato mandaram. eu tento não ser xiita em todos os mundos possiveis. peço que deem um voto de confiança para o andre que eu nem conheço pela simples coragem de ter aberto a boca e lá no fundi ho de seu artigo, ter chamado a atenção para a nossa acomodação. não há romantismo nisto. tampouco ele quer um pedestal. entendam como uma contribuição. e você... qual foi a sua contribuição ??

    ResponderExcluir
  48. Amigo, acredito que vc não tenha a capacidade de entender o artigo dos outros. Faça aulas de interpretação textual.

    ResponderExcluir
  49. Luakit: http://mason-larobina.github.io/luakit/

    ResponderExcluir
  50. rafael, acredito que você seja um xiita e ainda por cima mal educado por pedir no blog do autor que ele retire o artigo. seu pai não te ensinou boas maneiras não ? alias eu tenho certeza que você é um xiita com mania divina porque veio se gabar do seu feito de ter começado em 94 com o slack. o que há velhinho ? quer uma medalha muttley ? além de xiita é metido. mais um dono da razão. mais um clone do stallman. cada mané que me aparece. o pessoal do slack deve estar com vergonha de você.
    amigo, ninguem aqui quer medir experiências.
    queremos um mundo melhor. queremos dissernimento e mente aberta. queremos e devemos tentar entender o ponto de vista alheio.
    se quer falar mal da fsf, do stallman ou do andré, não seja pior que eles. eles não são perfeitos e nem donos da razão mas estão tentando contribuir. reflita com a mente aberta. mas reflita bastante. profundamente. exercite seus neurônios.
    proponho olhemos menos para nossos umbigos e um pouco mais para o que queremos deixar para as próximas gerações.

    ResponderExcluir
  51. Vamos abrir nossas mentes e permitir que empresas privadas entrem nelas, capturam e vendam nossos dados.

    Todos que demonizam o IE não se dão conta que as versões antigas, apesar de terem falhas grotescas de segurança, serem proprietárias e não seguir corretamente os padrões abertos, não enviavam automaticamente o histórico de navegação, cookies, senhas e favoritos pros desenvolvedores da Micosoft. Agora isso já é institucionalizado e amplamente aceito. A mozilla com o mozilla sync (que agora vai identificar os usuários com cadastro), o chrome e derivados com as contas google e assim por diante. Sem contar as funções mirabolantes de proteção da navegação do firefox que envia cada site aberto ao google para verificar se não é golpe. Primeira vez que a pessoa abre o mozilla ele já um cookie do Google. Mas isso é tolerado pelo movimento do software livre brasileiro, mesmo movimento que defende a canonical coletar dados. Mesmo movimento que dá preferência aos twitter/facebook e caga na cabeça de quem faz código pra redes abertas como noosfero, diáspora etc.

    Os sites que seguiam os padrões também não abriam corretamente nas primeiras versoes do firefox, firefox este, patrocinado pelo Google, firefox este que destruiu a suíte mozilla e contribuiu para construir a estrutura que hoje chamam de "núvem" que é mover todos os protocolos para o HTTP/HTTPS e centralizar a informação.

    ResponderExcluir
  52. Já que falou, ai estão navegadores que ainda não se venderam:

    Luakit
    Surf
    eLinks
    Dillo
    Midori
    Epiphany
    Arora

    Há mais, apresentem-me!

    ResponderExcluir
  53. Opinião cada um tem a sua e respeito sua opinião. Mas se o software é livre eles são livres para fazerem o que quiserem para quem quiser usar. Se você não gosta do que fazem simplesmente não use. :)

    ResponderExcluir
  54. Mais uma vez, repito: o foco do SO desenvolvido pela Canonical a partir do Debian foi é e sempre será o USUÁRIO FINAL, aquele cara "tipo windows user", que só quer instalar um SO e utilizá-lo de forma satisfatória, eficiente e descomplicada. Acho que o o grande equívoco da crítica feita nesse artigo que ora comentamos aqui foi comparar o projeto Ubuntu com projetos mjoritariamente livres, os chamados puristas ou até mesmo radicais. Há pessoas que acham que o Linux não pode servir como fonte de renda ou como produto que gere divisas a empresas e etc e tal. Essa é uma visão puramente IDEOLÓGICA, ligada a uma visão esquerdista ou até mesmo de extrema esquerda, o que, definitivamente, confesso, não é o meu caso. O Google Android é o maior exemplo de sucesso do Kernel do Linux no mundo empresarial. Sim, é possível ganhar dinheiro com software livre e NÃO VEJO NADA DE MAL NISSO!!!!!!! Por isso repito, o problema aqui não é IDEOLÓGICO. Para os que defendem a ideia difundida pelo autor do texto, ganhar dinheiro parece ser sinônimo de pecado. Não penso dessa forma; não é essa a minha visão de mundo. Será que por isso deveria ser proibido de usar Linux? Será que por isso empresas que investem no Linux como o Google e a Canonical deveriam ser impedidas de fazê-lo? Apenas uma última consideração: o código fonte do Linux é aberto a modificações para ser utilizado de acordo com as necessidades de quem se dispõe a fazer isso, inclusive as grandes empresas, que visam lucro. Isso é um tipo de uso que se pode fazer desse maravilhoso conjunto de softwares chamado Linux. Isso não significa a extinção dos projetos "totalmente livres" e ideologicamente comunitários (para não dizer socialistas) defendidos pelo autor. Existe algo chamado LIBERDADE DE ESCOLHA, que continua disponível, mesmo com a existência de projetos como os do Google e da Canonical. Portanto, quem quiser e souber navegar pela internet usando o terminal, fuçar a fundo as entranhas do kernel do Linux em distribuições como Slackware, Gentoo e Arch, que o faça; mas não critiquem quem deseja dar ao Linux a OPÇÃO DE TRILHAR, TAMBÉM, UM CAMINHO ALTERNATIVO, destinado ao usuário que quer apenas um sistema que funcione, que adora um "plug and play". Existe gente e demanda para ambas as possibilidades e necessidades. Meu apelo é para que parem de implicar com o Ubuntu (e seus derivados, como o Mint e o excelente Deepin) por ele ser a melhor opção destinada ao usuário final. Pessoal, por favor, entendam: nem todo mundo que usa Linux é geek, nerd ou especialista em programação. Sou usuário final, o cara comum que quer navegar na internet, usar o editor de texto, melhorar suas fotos no Gimp, organizá-las no shotwell, ouvir seus MP3 no Banshee, extrair áudio de CDs e DVDs de forma descomplicada etc e tal. É isso!

    ResponderExcluir
  55. Olá!

    Sou professor de educação tecnológica em um escola privada e esse ano damos inicio ao SL em todas as estações de trabalho, bibliotecas e laboratórios de informática e robótica, nosso objectivo esse ano é atingir 1700 novos adeptos ao usuários de SL. Foram seis meses de capacitação de funcionários e planejamento de aula para esse ano de 2014.

    Foi um trabalho árduo mas compensador no final, viva o SL!

    ResponderExcluir
  56. Percebam que, para muitos, e até para o autor deste artigo, o SL serve como item de distinção. Como lido em "os usuários não possuem conhecimento para tal. No máximo, eles criam um shell script mal-feito seguindo tutoriais da internet mas, na hora de criar algo sério, com algo na linguagem C, padrão no mundo Unix-Like, dão um jeitinho de cair fora."

    SL não é feito para alguns poucos que acham-se mais inteligentes do que a maioria. O SL é para todos, indiferente de saber ou não o que é GNU/Linux ou conhecer uma linguagem de programação.

    Ademais, o Ubuntu, de forma isolada é sim um software livre. Se o usuário sente-se incomodado com algum aplicativo que acompanha o Ubuntu pode simplesmente desinstala-lo.

    ResponderExcluir
  57. Acho que existem alguns problemas aqui. Eu sou usuário do Ubuntu + Gnome, desativei todas os relatórios e comunicações com proprietários. Pelo seu raciocínio, eu transformei meu ubuntu (que posso criar um distribuição) num SL.

    Cara, na boa, o principal problema da Canonical foi a criação do Unity e sua grande capacidade de mandar relatórios sem que nós saibamos, mas, para isso não acontecer, basta digitar alguns comandos no terminal e pronto.

    ResponderExcluir
  58. Cara, acho que quem não percebeu foi você, independente de ser programador ou não, a ideia de software livre é maior que isso, é a ideia de por exemplo eu fazer uma modificação e liberar para o mundo de graça.
    Acredito que você deva ler o texto novamente e refletir antes de vir comentar.

    ResponderExcluir
  59. Que artigo hein?! O código fonte pode ser aberto para quem não sabe programar e é apenas usuário de computador para trabalho ou lazer. E está bom demais se não temos que comprar o software. Se eu fosse programar e eu tivesse um software bom a ponto de ser vendido eu iria querer vender em qualquer plataforma. O que é digno se eu tiver de investir em tempo, infraestrutura e salário de algum programador e equipe para auxiliar a desenvolver, quem iria pagar por isso tudo? Eu? Claro que não! Então vender licença de software é normal. Crie seu software e venda o seu, ou crie um sistema operacional só pra vc, ou compre a licença do Windows ou um Macbook. Pára a palhaçada!

    ResponderExcluir
  60. Quer ganhar ibope, mostra a bunda cara, para de apelar

    ResponderExcluir
  61. Bom... começemos pelo começo.

    O ubunto segue sim a filosofia do software livre e possui seu código fonte aberto, como pode ver nos dois links que segue:

    http://www.ubuntu.com/about/about-ubuntu/our-philosophy

    https://wiki.ubuntu.com/Kernel/SourceCode

    Proibir alguém de algo nunca foi liberdade de nada!!! Conversinha mais comunista esssa.... Embora proteger o código vá contra a iniciativa do software livre, esse não é nem de perto a política adotada pela canonical. Assim como o cidadão de formatar o PC dele e por windas, a canonical só deixa a vontade o usuário que quiser usar outros produtos q não os dela. (liberdade no seu sentido mais puro.)

    Alêm do mais, como algum comentário ai em cima citou, nem todo mundo é programador/desenvolvedor/técnico. E nesse sentido, o ubuntu tem leva o Linux/GNU MUITO a frente. Por exemplo, atualmente os terminais da rodoviária de Porto Alegre utilizam ubuntu para rodar o seu sistema..... se não houvesse a liberdade de se instalar o que quisesse, isso nunca seria possível, visto que o software da rodoviária em si é proprietário.

    Pior ainda! Imagina se só se pudesse instalar software de código aberto nos servidores web que rodam Linux! Nunca se tornaria o sistema operacional mais difundido nesse meio. (by the way, quando tu usou o argumento de não poder acessar o facebook/linkdin se estiver num Linux.... perdeu qq credibilidade que o teu post poderia ter....)

    A canonical está fazendo coisa maior do que apenas criar outra distro. A popularização do ubuntu é também a popularização do Linux. Como vc mesmo falou, as coisas desenvolvidas no ubuntu, também funcionam em outras distros. Então, se tiver um marketshare significativo, a população em geral começará a olhar para o Linux com outros olhos e dar mais atenção para ele (Linux, não só ubuntu) em termos de software como um todo.

    Lembrando que sempre pode desinstalar o ubuntu que está usando ai e por um Arch se quiseres!

    Quem se sente bem com windas, vá ser feliz! Quem se sente bem com ubuntu, vá ser feliz! Quem se sente bem com Mac, vá ser ... burguês!

    Aaaaa, falando nisso, não que eu motive esse hate incondicional, mas se ataca o ubuntu por isso, o que dizer do MacOS então?!?!? Não foi pelo sucesso do MacOS q o Linux/GNU morreu. (Assim como não vai ser pelo sucesso do Ubuntu.)

    ResponderExcluir
  62. Li tudo e foi o maior tempo perdido em minha vida.

    ResponderExcluir
  63. O ubuntu tem realmente um grande mercado mas isso não impede seus desenvolvedores de lucrar com seu trabalho, seu codigo fonte é distribuido gratuitamente e qualquer um que tenha dominio de programação pode modifica-lo, e se sua central se softwares oferece softwares proprietários está dando o direito de liberdade para que o desenvolvedor desse soft. ganhe com seu trabalho se alguém não quer simplesmente opta por um Open Source.

    ResponderExcluir
  64. Os radicais do SL deveriam se dedicar mais a divulgar os benefícios de se usar programas de código aberto do que a ficar falando mal da Microsoft, Apple, Canonical e o mundo inteiro. É como querer vender um refrigerante pondo defeitos nos similares oferecidos pela concorrência.

    ResponderExcluir
  65. Olha eu luto que nem doido para implementar o uso de software que não cause custos absurdos para meus clientes - cliente governo - então qualquer coisa que a Canonical faça para ajudar a implementação do Ubunto é muito bem vindo, mesmo que seja necessário abrir mão de ter acesso ao código original, esse purismo evangelista me parece prejudicial ao software livre e até um tanto ditatorial, vão querer controlar a casa do cacete! No mundo real o mundo é de todos! Software livre ou pago tem lugar para todos ok?

    ResponderExcluir
  66. O sucesso do Ubuntu/Canonical é função do entendimento deles do que os usuários necessitavam, em vez de somente ficar nas questões ideológicas (também importantes) mas com menos ênfase no usuário comum, ainda mais aquele que não era iniciado no mundo GNU/Linux, Unix ou BSD.

    O lado de atender ao que os usuários precisavam foi executado com maestria pela Canonical. Fizeram uma distribuição que desde as primeiras edições era bem acabada, mais fácil de instalar do que as que existiam, estava num único CD (me lembro de ter que usar mais de 3 CDs para instalar o Linux lá por 2003) e, principalmente, funcionava com a maioria dos hardwares sem ter que fazer malabarismos técnicos. Tudo isto somado à base sólida do Debian e da facilidade do apt-get.

    O fato de distribuir gratuitamente os CDs, citados por muitos como uma das causas da popularidade, para mim é secundário. O Ubuntu teria o mesmo sucesso com ou sem os CDs gratuitos.

    Estes fatores trouxeram muitos novatos do Windows para o Ubuntu. E também muitos profissionais que já usavam Linux e não tinham tempo ou paciência para ter que compilar ou configurar coisas na mão. Eu mesmo, que uso Linux desde o século 20 e sou profissional de TI, prefiro dedicar meu tempo/energia para fazer as tarefas de minha profissão e não para aparar arestas de distribuições mal ajambradas.

    Outro ponto que os dois autores trazem é a questão ideológicas do software livre. Muitas destas questões são centrais até hoje, mas a ênfase político-ideológica não conseguiu angariar muitos novos asseclas, como o Anahuac mesmo admite. Talvez por radicalismos sectários, talvez por incapacidade de entender o que as pessoas queriam, talvez por julgar que seus próprios valores seriam superiores aos demais, sei lá.

    Mas o fato é que foram, digamos, derrotados pela história. E agora buscam um bode expiatório. Se não existisse o Ubuntu, seria outra distribuição. Mas dificilmente seria o Trisquel, o gNewSense ou aquela argentina, o Ututo.

    Num ambiente de liberdade, pessoas com a personalidade do Stallman são importantes como visionários e guardiães de causas, mas não serão espontaneamente populares ou majoritários.

    ResponderExcluir
  67. Sempre acreditei no Linux por causa das leis que regem o software livre, este artigo tem coisas que concordo e muitos pontos que discordo, e é obvio que a canonical não trabalha com um software 100% livre, ser Linux não significa propriamente ser gratuito ou ser livre, podemos fazer downloads de versões gratuitas mas que não possamos ter acessoa certas modificações mas não deixa de ser Linux, e podemos baixar versões que são 100% livres, podendo baixar até o código fonte para programar, eu sou programador e sei que é muito importante termos acesso à estrutura do sistema, mas a partir do momento em que a Canonical se desviar dos propósitos em que a comunidade Linux acredita, ela vai sofrer amargamente o abandono e migração para outras versões! Lamento muito por Carlos E. Morimoto não ter dado continuidade ao Kurumin, que era um grande exemplo de Linux em nosso país! Leiam e releia e reflitam, pois ubuntu tem seu valor, mas claro que estamos vigilante sempre, como quando um mau intencionado coloca algum código malicioso no código fonte, outros verão o código e irão removê-lo dalí, é assim que funciona a comunidade Linux!

    ResponderExcluir
  68. Claro, principalmente porque o Ubuntu (com u no final) deve ser a única distribuição gratuita que existe na face da Terra, não?

    Saia da sua zona de conforto e vá conhecer melhor o sistema que você acha que usa.

    ResponderExcluir
  69. Se continuar nesse tipo de mentalidade extremista do software livre o Linux, nunca irá pra frente...
    Mundo das maravilhas, esquece que não existe...

    Criticar o ubuntu pelo "software central" que permite software proprietário vou ter que discordar devido a esse ponto.
    Amigo, com a concorrência proprietária infelizmente você tem que ser pragmático...

    Daqui a pouco vai ter gente atacando o "Steam" porque permitiu seu software ser instalado no ubuntu. (alias o stallman já criticou o steam no linux)
    Viver no mundo da fantasia não vai levar lugar nenhum. O top de sistema operacional é o MAC , o cara que sai do windows procurando por conforto ele não vai procurar o linux se ele não proporcionar esse conforto.
    E o ubuntu está certo em seguir essa linha de raciocínio do público do mac

    ResponderExcluir
  70. Até entendo o seu ponto de vista, mas você precisa analisar além da fatia do bolo, se o flash é disponibilizado é porque as pessoas precisam dele e não existe outra opção viável no momento e o mesmo acontece com os outros programas.

    Quem dera o Ubuntu disponibilizasse mais softwares proprietários, assim não precisaria de maquinas virtuais para certas tarefas...

    ResponderExcluir
  71. O Mac é o top? Isso é muito relativo! Por debaixo do capô, o OS X nada mais é do que um BSD, muito sililar ao Linux! Além disso, não vejo como uma empresa que sequer se preocupa com nosso país - os computadores Mac não possuem teclados ABNT2 - pode ser considerada top por aqui, sem falar que as práticas trabalhostas da empresa de Cupertino beiram à escravidão, algo que a maioria dos macmaníacos desconhece ou faz questão de ignirar..

    ResponderExcluir
  72. Talvez seja razoável utilizarmos um ou outro software proprietário por falta de opções - o Gnash, substituto livre do Flash, está muito atrasado -, tanto que o próprio Stallman diz que o desenvolvimento do GNU começou com eles usando uma versão proprietária do Unix como ambiente de desenvolvimento, na qual eles foram, gradualmente, substituindo os programas fechados pelos equivalentes livres que produziam. No entanto, a solução não é disponibilizar mais softwares fechados: é melhorar nossos softwares livres!

    ResponderExcluir
  73. Na boa texto xiita e cheio de mimimi que parece tb escrito por "especialista". Pragmático e fraco. Querem culpar uma distro por ser popular e oferecer todo tipo de serviço e software e que realmente da liberdade tb de escolha ao usuário.

    Querendo ou não Ubuntu tornou o Linux popular, trouxe ele mais para o mercado Descktop e agora móveis. Usuário quer usar um PC não passar dias compilando driver e kernel. Se não gostam não usem e não critiquem.

    Então o Linux volta como a 15 anos atrás, poucos sofwares de qualidade, usuários perdendo dias compilando e montando a distro, caçando drivers meia boca. A Caonical fez oq outros ñ tiveram colhões para fazer. Tonar o GNU/Linux para usuários e não pesudos "nerds" só pq sabe compilar um Kernel. Fico besta com a afirmação de incluir ferramentas livres para acesso as redes sociais. Então larguem de ser hipócritas e excluam suas contas de Facebook, Tweeter, G+ e outras. Não as usem para dissiminar o conhecimento livre e a LIVRE escolha do usuário ESCOLHER o quiser. O Ubuntu não tem culpa do mercado ser atrasado com o modelo proprietário, ele só oferece a possibilidade do usuário COMUM ESCOLHER oq lhe facilita a vida. Ubuntu não tem culpa do flash ser usado em 99% dos sites e nem de infelizmente essa praga não ter morrido e o HTML 5 com CSS3 + JS ainda não serem utilizados para o tipo de conteúdo rico q o quase defunto flash disponibiliza.

    Infelizmente as fábricas de hardware são atrasadas e só fazerm drivers proprietários. Vamos culpar o Ubuntu por isso tb, afinal ele colocou lá pq o usuário precisa usar sua placa de vídeo foderosa. Isso é HIPOCRISIA pura.

    Eu como usuário de Linux, inclusive a distro Ubuntu, defensor de SL (chego a ser chato com isso, pois defendo mesmo) fico indignado com tamanha idiotice escrita aqui. Enquanto vcs xiitas linux querem emtubar uma filosofia do SL para usuários q no inicio não estão nem um pouco e nem entendem bem oq é isso o Ubuntu está fazendo o contrário, popularizando o GNU/Linux dando escolhas ao usuário de escolher sim se quer MP3, um driver x, um App Proprietário etc e assim angariar + colaboradores e introduzir de uma forma mais tranquila e ao meu ver inteligente as pessoas no mundo do SL, fazer as pessoas entendenrem sua importância.

    Umas perguntinhas pros xiitas. Do que adianta uma distro emtubar um OGG que é uma excelente opção e pra mim melhor que o MP3 e outros formatos de vídeo e áudio se outros Players não tocam, se outros celulares tb tocam (só os Androids) se precisar usar um PC com Janelas ñ vai tocar OBRIGANDO o usuário instalar + plugins e outros Players?

    Do que adianta ñ oferecer um plugin de flash proprietário q funciona melhor q seu livre se o usuário não conseguir acessar um site com flash?

    Usuário Xiitas de M$ são um porre, principalmente a maioria não entende PN de PC e só sabe falar q linux é ruim pq não roda Jogo e ñ roda Photoshop e eles se quer sabem oq é isso. Mas os de Linux de vez enquando se superam, conseguem ser mais chatos e com argumentos tão pobres qnt os baba ovo da M$

    ResponderExcluir
  74. Cara, na boa, ONDE FOI QUE EU DISSE QUE O UBUNTU É NOCIVO POR SER POPULAR? Eu não sei quem foi que inventou essa asneira! Eu disse - ou, pelo menos quis dizer - que ele é nocivo por (i) não respeitar os conceitos da Liberdade de Software e (ii) Não respeitar a Liberdade e a Privacidade do Usuário Final. A popularidade do sistema pouco me importa. Mimimi é quem fica inserindo coisas que eu não disse no texto.

    ResponderExcluir
  75. Dependencia de Software proprietário não inibe o desenvolvimento do SL. Oq inibe isso é o pensamento atrasado do Software proprietário e quem o produz. O usuário, o ser que usa, que ñ sabe programar não pode ser culpado, mt menos culpar uma distro. Infelizmente ainda dependemos de mts desses softwares. As pessoas em modo geral desconhecem as ótimas alternativas livres existentes.

    ResponderExcluir
  76. Após perceber a política da canonical e por motivos de usabilidade foi que resolvi mudar de distro. Sou fã do gnome 2.x.x e o odeio a Unity do Ubuntu. Hoje uso Slackware 14.1 com o fork mate 1.6. Tenho um SO leve, estável, rápido e funcional. Não me arrependo de ter mudado de distro, pelo contrário, estou satisfeito. E tem uma verdade na documentação do Ubuntu.. Cada vez mais temos documentação do ubuntu e cada vez menos documentação de outras distros. Uma pena ver isso acontecer. Minhas pesquisas no google sempre tem um menos ubuntu (-Ubuntu) pra filtrar o lixo que aparece!

    ResponderExcluir
  77. Filho, se vc pensa assim, nem deveria ter conta em banco, deveria viver nas cavernas. Ou vc acha q essas instituições ñ sabe nada sobre vc. E nosso governo que sabe oq vc come com o peido q vc dá. Acorda pra vida. A internet promove tudo isso a falça liberdade. tudo oq vc faz é monitorado.

    Empresas precisal de capital (GRANA) para se sustentar. Vem essas falácias de Ubuntu ONE e bla bla blá, Google Drive, Dropbox e outros ñ fazem isso. Não se iluda.

    ResponderExcluir
  78. O seu texto não defende liberdade. Se uma distro não pode ter a LIBERDADE de oferecer softwares proprietários para usuários que desejam um software "X", ou que não tem a LIBEREDADE de ter parcerias com empresas e fazer propagandas com opção do usuário retirar a msm, como no caso da Amazon.

    Liberdade de software tb envolve escolher oq usar. O Ubuntu não instala lá o plugin do Flash e MP3 mas dá a possibilidade. Quem escolhe é o usuário. Onde deixa de respeitar a liberdade de software?

    Como assim não respeita a liberdade de privacidade. Só pq criou uma parceria com a Amazon e indica determinados produto da mesma. O usuário ainda tem a opção de remover. Acha que a canonical ainda manda infos do Usuário escondida? Vai no Fonte e analiza o código afinal ele é livre. Para muitos usuários isso é bem pertinente, assim como qq outra forma de marketing.

    Pode não ter falado de popularização como um mal, mas deixa bem claro com seu texto isso. O Ubuntu não tem nada de nocivo. Ele trouxe o Linux para a realidade PCs e Séc XXI.

    Não se deve crucificar um distro por ela facilitar a vida de quem usa. Ela não obriga o usuário a instalar App X ou Y simplesmente da a opção de instalação. Isso sim é liberdade de escolha, de software. Querendo ou não o Ubuntu trouxe o Linux para o sec XXI.

    Oq tem de mais em precisar de um computador um pouco mais potente? O SO acompanhou a tecnologia e msm assim ainda roda em PCs modestos com 512MB a 1GB de RAM msm não sendo o recomendado. Diferente dos SOs da M$ o Ubuntu não obriga o usuário a trocar de hardware. Mas tb usar museus de 10 anos atrás que mal rodam um XP aí é ser mt mão de vaca. No caso de se precisar use distros minimalistas como Puppy ou Slitaz, ou alguma distro + leves como Lubuntu e Xubuntu. Oq não faltam são opções de distros.

    Foi citado o Mir como desnecessário o X é mais velho q Dão Pedro I, defasado e não acompanha mais a tecnologia atual, deve ser uma gambi atrás da outra para fazê-lo roda nos PCs de hj. que mal tem criarem um servidor de gráficos hj adequado a realidade do séc XXI? Ele não é Livre tb? Pq outras distros e desenvs ao invés de fazer cudocite, não ajudam a finalizar o projeto e incorporam nas distros?

    O Unity ainda é pesado, mas em 3 anos melhorou e muito, deu cara nova ao Linux parou de parecer com aquela cara de rWin 2000 do gnome 2.x, O gnome 3 apesar de ser satisfatório ainda está atras do Unity. Em pouco temo teremos um Unity + estável e fácil de usar com várias integrações úteis.

    Muito mimimi, xororo por pouca coisa. Usuários querem usar e se migrar for um parto como era a uns 5 anos atrás rñ migrarão e será um retrocesso. Menos usuários, menos softwares, menos interesse no mercado menos tudo. Foi um custo sair dos míseros 1%, está sendo uma guerra manter os aprox. 5% se essa fatia cair teremos um retrocesso. O processo é lento. Se precisarmos colocar softwares proprietários para conseguirmos ser visto como SO para as esmpresas que seja, e naturalmente as pessoas vão assimilando e aplicando o SL como filosofia, não adianta querer entubar isso. Se fizer estão como a M$ entubando um SO, entubando seus perodutos.

    ResponderExcluir
  79. +1 x culpando uma distro por terceiros. Se quem escreve para "Ubuntu" não menciona outras distros, a culpa ñ é do SO e sim de quem escreveu. A msm solução serve para outras distros. pra quem usa Ubuntu ótimo, para quem se achar "hacker" e só aplicar. Não precisa dizer explicitamente isso.

    ResponderExcluir
  80. Cara eu acho que o SL tem crescido e que os usuarios novos não tem cooperado da maneira com o autor do texto esperava.. mas creio que o autor do texto não lembrou que ele já foi padawan algum dia.. e quem sabe o usuario que faz um shell nas coxas não possa cooperar mais pra frente? ele é livre não é? em nenhum momento você é obrigado a cooperar, até por que usando você já esta cooperando.. reportando bugs ou simplesmente mostrando pra outras pessoas. Sobre o ubuntu, cada um faz o possivel para ter mercado, acho que as integracoes dele devem ajudar os usuarios iniciantes.. afinal a canonical tem que ganhar dinheiro de alguma forma.. se o usuario nao ta feliz com o ubuntu.. tem outras dezenas de distros pra ele escolher.
    se a intenção do autor era ter views e publicar o blog.. conseguiu :)


    PS: eu uso FEDORA

    ResponderExcluir
  81. Fernando Paschualetto17 de fevereiro de 2014 07:35

    Não vi nocividade nenhuma por parte do Ubuntu... afinal, é apenas uma vertente do Famoso Debian... todos os "problemas" podem ser facilmente desativados, desinstalados, removidos ou adaptados. Quem nunca instalou qquer outro SO livre e não precisou fazer algum tipo de ajuste para uso próprio? Culpar a Canonical pela iniciativa de tornar o SO "mais amigável" aos outros usuários é o mesmo que se juntar ao lado negro da força do software livre.

    ResponderExcluir
  82. Falou tudo! Parabéns!!!!!!

    ResponderExcluir
  83. "Liberdade de software tb envolve escolher oq usar."

    Essa é a sua opinião, mas se você voltar no texto, verá que não é a opinião da FSF, que é quem criou o conceito de software livre e a GPL.

    Mais especificamente, a FSF não apóia o Ubuntu pelos seguintes motivos:



    O Ubuntu fornece repositórios específicos para software não livre e a Canonical expressamente promove e recomenda software não livre sob o nome do Ubuntu em alguns de seus canais de distribuição. O Ubuntu oferece a opção para instalar apenas pacotes livres, o que significa que ele também oferece a opção para instalar pacotes não livres. Além disso, a versão do Linux, o kernel, incluída no Ubuntu contém blobs de firmware.

    A política da marca registrada do Ubuntu proíbe a redistribuição comercial de cópias exatas do Ubuntu, negando uma liberdade importante.

    A partir de outubro de 2012, o Ubuntu envia informações pessoais sobre as buscas dos usuários a um servidor que pertence à Canonical, que envia de volta anúncios para comprar coisas da Amazon. Estritamente falando, isso não afeta se o Ubuntu é software livre ou não, mas é uma violação da privacidade dos usuários. A distribuição também encoraja compras na Amazon, uma companhia que está associada ao DRM, além de maltratar seus trabalhadores, autores e editoras.

    Esse adware é uma das raras ocasiões na qual um desenvolvedor de software livre persiste em manter funções maliciosas nas versões de um programa.


    Ela ainda criou o texto Ubuntu Spyware: What to do? sobre essa questão delicada. Se você gosta de apoiar uma empresa que maltrata seus empregados e entregar seus dados para uma corporação privada e estrangeira, o problema é seu; eu não faço isso.

    ResponderExcluir
  84. Cara o S.O. é feito pra o usuário final, não para programadores hardcore que querem mexer em códigos, modificar versões, compilar Kernel. O ubuntu ta inovando, trazendo facilidade e não é atoa que ta ganhando mercado. A um tempo atras resolvi instalar o Ubuntu no notebook de minha sogra pra fazer um teste, pois quando era windows, toda semana ela me chamava para fazer alguma manutenção nele, ou seja, foi a solução para os meus problemas, nunca mais ela me chamou para resolver problemas de vírus ou re-instalar impressora. O Ubuntu chegou a um nível que qualquer usuário sem muita experiência consegue mexer sem problemas.
    Se o Linux tivesse continuado como está, pode ter certeza que a popularidade estaria caindo muito mais, possivelmente ao ponto de encontrar Linux apenas nos servidores e nos computadores dos programadores hardcore.

    ResponderExcluir
  85. A muito tempo eu não lia uma babaquice tão escrota! Moleque ignorante...

    ResponderExcluir
  86. Isto me parece uma violação da GPL

    Até onde eu sei a GPL permite o compartilhamento nas mesmas condições.

    Ou seja, se um software está sobre GPL, ele pode ser redistribuido, independente de alguém quere ou não.

    Isto de não poder distribuir me lembra outra licença

    chamada EULA!

    ResponderExcluir
  87. O problema não é o Gnash, é a existência do Flash. Flash este que a própria adobe está lutando para acabar em prol do HTML5 (que a adobe quer se apossar como o internet explorer se apossou do HTML 4)

    ResponderExcluir
  88. como eu poderia te responder?

    lalalalalallalaal lololololololo lalalalalalalalalalala blablablablablabla rrrr blablablablabla rrr lalalalalala zzzzzz

    hahahahhahah hohohohasdjfaksjdkf

    jassjasdjkdjaskdjsjlasçlçkdaç asdjkfljas dasjdl fçjaslç jflasjdf opqierp iuqwpoe rupqowie rpoqjwekljf n,mznxlals

    volta pro facebook.

    ResponderExcluir
  89. Interessante o Dexter ter falado em Steam, uma vez que eles já anunciaram que seu console (o SteamBox) terá como base o Debian GNU/Linux...

    Se realmente o sistema da Micro$oft fosse o melhor sistema para a Steam não acha que ela faria um XBox-Like???

    ResponderExcluir
  90. Existem pesquisas que mostram que para 90% dos usuários do M$Office, 10% das funções que ele tem seriam suficientes, e todas essas funções estão no LibreOffice.

    Além do mais, comparações desse tipo acabam caindo no que cada um está acostumado e quanto a pessoa está disposta a sair de sua zona de conforto, pois terá que aprender onde está aquela função e não a usá-la.

    ResponderExcluir
  91. Bem explicativa e não tendenciosa.

    ResponderExcluir
  92. Caros menbros da comunidade, ja faz muito tempo que eu não vejo um texto carregado com tanta IGNORANCIA.

    1) SOFTWARE LIVRE é o programa que disponibiliza o codigo-fonte para que ele possa ser usado, modificado e redistribuido livremente. Bem, tudo no Ubuntu é Open Source, qualquer pessoa pode baixar o codigo fonte, modificar e redistribuir livremente. Viu??? Software livre!

    2)O dersenvolvimento de software livre hoje é feito basicamente por empresas de tecnologia, como Oracle( Java, NetBeans, VirtualBox, MySQL e outros), Google( Android e outros), RedHat (Linux, JBoss, diversas tecnologias de servidor etc.), Xamarin/Novel (Mono, MonoDevelop) e etc, etc, etc................
    Estas empresas usam e desenvolvem software livre para explora-lo comercialmente ou para o desenvolvimento de novas tecnologias. Exatamente o que a Canonical faz com o Ubuntu. A RedHat tambem, o Google tambem, A IBM tambem, a Novel tambem etc, etc, etc.............
    Voce sabia que o CUPS, sistema de impressao usado no linux é desenvolvido pela Apple???

    3) O usuario comum, o leiteiro, o padeiro, o médico, o dentista, a sua vizinha, a sua avó, precisam de um computador que ao ser ligado, tudo simplesmente funcione. Voce consegue imaginar a sua avó tendo que compilar e resolver dependencias manualmente pra fazer um aplicativo funcionar???
    O que a Canonical faz é dar ao usuario domestico um sistema que simplesmente funciona! Se voce é hacker, ai ja é outra historia!!!!
    4) Tudo muda ao passar do tempo, absolutamente tudo!!! Software open source não é diferente. Nasceu nas faculdades e institutos de tecnologia e, hoje, é desenvolvido por grandes corporações do setor. Hoje, o que todo estudante de tecnologia quer é abrir uma empresa de 1 bilhão!!!!

    Conclusão:
    Essas pessoas que ficam falando mau de quem explora comercialmente o linux não passa de gente ignorante. Gente IGNORANTE tem que ser IGNORADO!!!

    ResponderExcluir
  93. 1) SOFTWARE LIVRE é o programa que disponibiliza o codigo-fonte para que ele possa ser usado, modificado e redistribuido livremente. Bem, tudo no Ubuntu é Open Source, qualquer pessoa pode baixar o codigo fonte, modificar e redistribuir livremente. Viu??? Software livre!

    Tudo bem, mas o que você não percebe é que, atualmente, como no caso do Ubuntu, o software livre está sendo utilizado como uma interface para softwares proprietários. Você pode baixar o código do Ubuntu One, mas você tem acesso ao código dos programas que rodam nos servidores da Canonical responsáveis por armazenar os arquivos que você coloca nesse sistema de armazenamento?



    2)O dersenvolvimento de software livre hoje é feito basicamente por empresas de tecnologia, como Oracle( Java, NetBeans, VirtualBox, MySQL e outros), Google( Android e outros), RedHat (Linux, JBoss, diversas tecnologias de servidor etc.), Xamarin/Novel (Mono, MonoDevelop) e etc, etc, etc…………….
    Estas empresas usam e desenvolvem software livre para explora-lo comercialmente ou para o desenvolvimento de novas tecnologias. Exatamente o que a Canonical faz com o Ubuntu. A RedHat tambem, o Google tambem, A IBM tambem, a Novel tambem etc, etc, etc………….
    Voce sabia que o CUPS, sistema de impressao usado no linux é desenvolvido pela Apple???

    O CUPS foi criado por Michael Sweet e, posteriormente, adquirido pela Apple. Cabe falar, pela enésima vez, que o próprio Stallman já disse que software livre nada tem a ver com software grátis e que é possível, sim, fazer negócios com ele. O que estou apontando aqui é que as empresas de software livre, como a Canonical, usam seus programas livres para coletar informações do usuário, as quais são enviadas para sistemas fechados, além de criar incompatibilidades artificiais nos programas, o que faz com que um software empacotado para o Ubuntu não funcione corretamente no Debian, por exemplo, embora saibamos que, na teoria, isso não devesse acontecer.



    3) O usuario comum, o leiteiro, o padeiro, o médico, o dentista, a sua vizinha, a sua avó, precisam de um computador que ao ser ligado, tudo simplesmente funcione. Voce consegue imaginar a sua avó tendo que compilar e resolver dependencias manualmente pra fazer um aplicativo funcionar???
    O que a Canonical faz é dar ao usuario domestico um sistema que simplesmente funciona! Se voce é hacker, ai ja é outra historia!!!!


    Se você leu o artigo posterior a esse, verá que em nenhum momento eu afirmei que o software livre deve ser difícil de usar. Não sei quem foi que surgiu com essa ideia maluca e nem de onde ela tirou. O Trisquel, por exemplo, é uma distro recomendada pela FSF e bastante amigável.


    4) Tudo muda ao passar do tempo, absolutamente tudo!!! Software open source não é diferente. Nasceu nas faculdades e institutos de tecnologia e, hoje, é desenvolvido por grandes corporações do setor. Hoje, o que todo estudante de tecnologia quer é abrir uma empresa de 1 bilhão!!!!

    Ao custo da privacidade de seu usuário. Essas pessoas que querem abrir uma empresa de 1 bilhão estão nem aí para o verdadeiro sentido do software livre.

    Conclusão:
    Essas pessoas que ficam falando mau de quem explora comercialmente o linux não passa de gente ignorante. Gente IGNORANTE tem que ser IGNORADO!!!

    Acho que ignorante é quem fica usando argumentos falhos e ataque ad hominem, mas posso estar enganado.

    ResponderExcluir
  94. Caro André Machado, primeiramente, gostaria de me DESCULPAR pelo fato de meu comentario anterior ter parecido meio que agressivo. Não foi a minha intenção!
    De qualquer forma, eu acredito que qualquer distribuição que venha a se destacar em relação as outras, vai fazer "inimigos" dentro da propria comunidade.

    Sobre dois comentarios que voce fez:
    #Compatibilidade de pacotes Debian/Ubuntu
    Trata-se de uma questão de versão de bibliotecas. O projeto Debian tem como foco segurança e estabilidade, por isto, eles usam pacotes mais antigos, que ja foram exaustivamente testados pela comunidade. Ubuntu utiliza-se de pacotes mais recentes. Esta é a unica razão com que a compatibilidade binaria entre Debian e Ubuntu não seja 100%.

    #serviços de armazenamento em cloud
    Como a Canonical vai tornar publico o acesso a seus própios servidores??? Se o servidor fosse seu, voce faria isso???
    O codigo do UbuntuOne é aberto, mais o servidor, é da Canonical!!!

    #Privacidade
    Eu considero o google um demonio no que diz respeito a invasão de privacidade. Mesmo assim eu uso seu sistema de busca. Porque? O Google é mais eficiente! Simplesmante optei entre privacidade e eficiencia. Com o Ubuntu é a mesma coisa. O usuario é quem tem que escolher entre privacidade limitada e usabilidade. Tem que ser escolha do usuario! A Canonical oferece um produto que tem concorrentes, cabe ao usuario escolher entre privacidade e qualidade!

    Saiba que eu não sou um usuário de Ubuntu, na realidade não gosto do Unity, mas, me incomoda alguns membros da comunidade crucificar uma empresa que ja investiu milhões no desenvolvimento do sistema, para beneficio da própia comunidade.

    ResponderExcluir
  95. Adianto que sou favorável a seus argumentos e concordo que os coletivos precisam se organizar para repensar essa questão do modelo de negócio da Canonical. Porém, senti-me motivado a fazer alguns comentários críticos para ampliar a reflexão.

    Com seu texto, não ficou claro pra mim qual das 4 liberdades não é atendida. Parece-me que a argumentação foi melhor desenvolvida na discussão sobre a comercialização e a venda de dados dos usuários como algo central e as percerias da canonical me preocupam muito mais do que as 4 liberdades que são simples de ser atendidas pelos atuais modelos de negócio adotados por muitas empresas. Outra questão que me preocupa muito mais é o fato de ter participado do último FISL e vi muita discussão sobre código e pouca discussão sobre sociedade ou tansformações sociais. De que adianta também ter código livre enquanto muitos de seus defensores adotam posturas tirânicas e tecnocratas. Isso não é difícil de encontrar nas falas dos que prezam pela liberdade do código, mas não pela autonomia social (aqui uso o conceito de Castoriadis que relaciona-se com a perspectiva autogestionária proposta por Proudhon). Aproveito para deixar uma pergunta invertida pra você: tirar a autonomia da pessoa escolher se acorrentar não seria limitar sua liberdade?

    ResponderExcluir
  96. João, uma outra questão pode ser levantada:
    Por que os criticos do modelo da Canonical não recompilam o source do Ubuntu, fazendo uma distribuição derivada com estas mudanças que julgam necessario?
    Afinal, todo o codigo-fonte do ubuntu está disponivel.

    ResponderExcluir
  97. Você viu o que aconteceu com o site fixubuntu?

    ResponderExcluir
  98. Cara, li o mail na integra aqui:
    https://micahflee.com/2013/11/canonical-shouldnt-abuse-trademark-law-to-silence-critics-of-its-privacy-decisions/

    Não consigo entender o que estão criticando a Canonical desta vez. Ela so esta reclamando, corretamente, do uso do logo e do nome "Ubuntu", que é marca registrada. Apenas isso!!! Se fosse minha marca, eu faria a mesma coisa. Sinceramente, eu acho que as pessoas estão enlouquecendo.

    ResponderExcluir
  99. Alias, me pareceu um e-mail bastante cordial.

    ResponderExcluir
  100. Que inveja esses mentes fechadas tem da Canonical. Façam o seguinte, parem de beber Coca-Cola e comer McDonalds, pois esta prática também é contra as regras do movimento.

    O mundo é capitalista. A Canonical já fez muito em disponibilizar e manter o melhor sistema operacional gratuito para usuários leigos (Senão é o melhor para os leigos, qual é o outro?). E como em qualquer organização à altura da Canonical, de qualidade, o combustível é o dinheiro.

    Já que estão realmente incomodados com o Ubuntu, me respondam uma pergunta. Vocês estão sendo obrigados a usá-lo? Pois é, se ele é a distro mais usada, não é a toa. Certamente está atendendo bem.

    Na verdade, o inimigo número 1 do software livre no Brasil e onde quer que seja, são essas mentes arcaicas e retrógradas, que parecem viver no fantástico mundo de Bob.

    ResponderExcluir
  101. Caros mebros da comunidade anti-Ubuntu, para que qualquer coisa de qualidade possa ser feito no mundo em que vivemos, é preciso DINHEIRO!
    O Designer precisa ser pago!
    O engenheiro precisa ser pago!
    O funcionario do RH precisa ser pago!
    Os IMPOSTOS precisam ser pagos!
    Os servidores não são de graça!
    A distribuição gratuita de CDs que faziam, não era "gratis"!
    Os engenheiros que desenvolveram a versão móvel trabalharam de graça????
    Voce trabalha de graça????
    Se o Ubuntu Edge tivesse dado certo, quanto beneficio isso traria para a comunidade open source???

    Não uso Ubuntu, uso FEDORA porque prefiro o gerenciamento de pacotes RPM. Apenas não acho certo o que a "comunidade" esta fazendo com a Canonical.

    ResponderExcluir
  102. Ubuntu Edge não foi pra frente porque a Canonical não consegui arrecadar 32 milhões!

    "Apenas" 32 milhoes!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  103. Estou exatamente na mesma condição do Fábio: Usuário final, noções básicas, teste de outras distros, enfim...
    Realmente o Linux, particularmente o Ubuntu e Mint vieram me libertar das amarras da "Janela", dos malditos vírus, dos cracks, por que nunca achei certo o valores extremamente altos de alguns softwares necessários, ou seja, crackeava mesmo!( e obviamente enchia minha máquina de vírus, um ciclo vicioso infernal!!!) Hoje não preciso mais "piratear" nada, o Linux me dá tudo o que necessito e com qualidade, embora o Ubuntu tenha me decepcionado na questão da Amazon, quero muito achar uma distro decente, mas realmente a gente fica sem saber o que fazer, pela falta de conhecimento em programação. Entendo a diferença de Software Livre e "Software Grátis" e não confundo as coisas. programador também tem contas para pagar, comparo ao músico profissional ( meu caso ), amo o que faço e faço muito bem, mas só de amor, morro de fome...
    E concordo com o Fábio com a idéia de se ensinar programação nas escolas.
    De todos os comentários que li aqui, achei o dele e o do Jonathas, os mais sensatos.
    Me perdoem a simplicidade, é apenas a opinião de um usuário final.

    ResponderExcluir
  104. Obrigado pelo esclarecimento. Tenho pesquisado bastante sobre o sistema Linux pois quero começar a usá-lo. Faço engenharia e tenho uma boa base de programação, além disso não tenho frescura com interface gráfica. O Linux me será bastante útil para as ferramentas que desejo criar. Tentei instalar o Ubuntu, mas não deu certo, bom que agora eu sei que não devo mesmo instalar essa distribuição. Agora, o que você me diz sobre o Fedora?

    ResponderExcluir
  105. O fedora era interessante mas, atualmente, está em um momento não muito bom. Veja http://www.espacoliberdade.blog.br/post/78838962634/novidades-sobre-o-fedora-21-e-o-fedora-next . Se quiseres adentrar no mundo GNU/Linux e não possui experiência, eu poderia lhe sugerir o próprio Debian, que é a base para o NSA/Ubuntu mas bem mais leve e com respeito à privacidade do usuário. O Mageia também pode ser interessante para quem gosta do sistema RPM e, é claro, não podemos nos esquecer das recomendações da FSF:https://www.gnu.org/distros/free-distros.html

    ResponderExcluir
  106. Liberdade é poder usar o SO que quiser, uso ubunto há quatro anos, não usa mais windows e só consequi isso através do ubunto.

    ResponderExcluir
  107. Amigo, se liberdade é usar o SO que você quiser, então me responda como você poderia ser livre no Windows ou no OS X? Você pode até escolher usar esses sistemas, mas suas licenças não lhe permitem copiar, modificar e distribuí-los de forma original ou modificada, como o sistema GNU permite. Não há liberdade quando se usa um sistema fechado. Assim, é necessário impor restrições para se garantir que todos sejam livres. Infelizmente, o Ubuntu, pelos motivos apresentados, não é livre.

    ResponderExcluir
  108. Olá a todos ;)

    André vc tem toda a razão no artigo que escreveu, mas o certo é que se não fosse o Ubuntu, eu e muitos outros ainda estaríamos amarrados ao Window$, pois a maioria dos sistemas Linux disponíveis na altura, exigiam conhecimentos avançados de programação.
    É pena que a Canonical, tivesse estragado tudo com a implementação do malfadado Unity, e com a sua política de tentativa de monopolização do Linux.
    Hoje o Ubuntu parece mais um sistema autónomo tipo Mac ou Window$ , do que um sistema Linux, embora permaneça gratuito ainda.
    Eu nunca consegui gostar do Unity, por isso comecei a usar o Ubuntu+Xfce, o Xubuntu, este é o sistema que tenho instalado nos PCs de casa há alguns anos, mas estou a pensar seriamente em mudar.
    Sou sincero, tenho alguns conhecimentos de Linux, mas não tenho pachorra para instalar drivers na marra, por isso tenho de ver um sistema fácil e prático de usar, talvez o Mint seja uma boa alternativa.

    ResponderExcluir
  109. Trocar Ubuntu por Mint é o mesmo que trocar seis por meia dúzia, afinal, ambos os sistemas têm a mesma base.

    Se você faz questão de usar um sistema baseado em .deb sugiro que vá direto para o Debian puro. O sistema não está mais tão assustador como era há meia década atrás e possui vários ambientes gráficos, incluindo o XFCE - que eu uso de forma altamente personalizada - além do fato de ser muito mais leve e não possuir os erros do Ubuntu. Talvez você estranhe algumas coisas no começo, mas é um bom primeiro passo para a transição.

    ResponderExcluir
  110. Antes, a comunidade LINUX e SL só se estranhavam com os SOs proprietários; agora com sua popularização e disseminação e cada um querendo visibilidade, estão se auto criticando,mas tudo bem, é benéfico para o crescimento da plataforma. O que antes era uma guerra de SOs, hoje esta se tornando uma guerra entre DISTROS. "Lamentável".

    ResponderExcluir
  111. Hahah verdade... O que percebo é que, pelo menos o karnel é opensource.. Isso é o mais interessante, mesmo que como sabemos nem um programador vive de vento e precisa de r$.

    ResponderExcluir
  112. Sou um end-user de linux com um de noção em TI.
    Como já dito aqui nos coments, tbm nao tenho tempo p/ ficar procurando como compilar drivers na "unha". O Ubuntu me atende muito bem: é seguro, estável, eleito recentemento o SO mais seguro do mundo, superando o Windows (ah vá?) e o MAC....é de graça, tem muitos fóruns voltados p/ Ubuntu, nao é taaao dificil assim tentar resolver algum problema qdo aparece.
    Não sei pq esse ataque chiita à distro.

    ResponderExcluir
  113. Não gosto de criticas, pois com elas tive problemas por algum tempo... até eu ler uma coisa assim: criticar é a melhor das opções que os "frustrados" encontram. (Não digo isso ao andre machado.. FOI O QUE LI E SERVIU PARA MIM).. Notei que o tempo gasto em pensar na critica... aplicar a crítica, poderia ser investido melhor em minha vida.

    Aaahhh mais são pontos diferentes, ajuda a refletir, adquirir novos conceitos etc.... levando em conta o tempo perdido não vale a pena, em resumo... concordo com os que disseram, pra que meter o pau na canonical?!!!

    Nada disso aqui somará... não gosta de algo, não use... está usando e decepcionou, mude...

    sobre a privaciade: o Google por exmplo é O DEMONIO" DA INVASÃO, nada no nosso planeta tem mais informações e previsões sobre o mundo nos proximos dez anos baseado no uso dessas informações.. NADA DESRESPEITA tanto a privacidade das pessoas como o google faz... mas temos o poder sobre isso... liberdade: escolher entre privacidade e usabilidade/eficiência. Escolho a eficiência... uso o google o tempo todo... E poder escolher entre usar os pacotes proprietários e os livres de codigos abertos ou não(open-source, sendo freewares ou não) é sim melhor conceito de liberdade. E sou a favor dos pacotes proprietarios presentes nas distribuições linux.. pois assim é a malhor maneira de termos mais programadores desenvolvendo pacotes equivalentes a importantes e indispensaveis que so contramos nos mundos windows e MAC. Não vou ser doente pra dizer que é ruin ter no apenas nesses sistemas prque assim sou obrigado a usá-los, pois não tenho nada contra eles.. os desenvolvedores não chingaram minha mãe... vou dizer que seria otimo ter mais um sistema operacional com fatias grandes no mercado... se formos somar todas as distros...linux ja é grande concorrente. quero que o linux cresça.. quero que o chromSO cresça ... etc.. ao inves deperder tempo tomando partidos.. ps4 é melhor.. xbox one é melhor... linux é melhor.. não é o mac... gasto esse tempo em desenvolvimento pessoal e profissional para minha vida e compro todos esses dispositvos.(encostei meus xbox360-ps3, parei).
    Hoje uso: manjaro, mint, emementary, win 7. (escolho derivadas pela praticidade/usabilidade acrescentadas )Não tomo partido de GNU/LINUX ou MICROSOFT... saio usando aqui que me serve no momemento... acho que investir tempo para defender os pacotes proprietarios ou não.. não acrescentará nada em minha vida. pois ambos os lados ganham cada um ao seu modo dentro de suas proporções. Os que menos ganham são os blogueiros.. e os que menos ainda somos nós que damos o ibope para discuções assim... mas como cheguei aqui para tambem fazer parte disso!? po**a, meu manjato ta sem som no HDMI, e o google me trouxe aqui :/

    ResponderExcluir
  114. E poder escolher entre usar os pacotes proprietários e os livres de codigos abertos ou não(open-source, sendo freewares ou não) é sim melhor conceito de liberdade.

    esqueça esse trecho acima kkkkkkkkkk

    E poder escolher entre usar os pacotes proprietários e os livres(freewares) de codigos abertos(open-source) ou não, é sim melhor conceito de liberdade.

    ResponderExcluir
  115. A maioria das pessoas sao idiotas, a história monstra isso... e os rumos que as coisas tomaram em cada era prova isso... a voz do povo é a voz da ignorância aguda (e coletiva).

    ResponderExcluir
  116. Bem eu acho que as pessoas trabalho para receber qual o problema da canonical colocar aplicativos proprietários na loja não tem problema nenhum cara você tá querendo mudar o foco da discussão software livre é uma coisa. Na frase em que você coloca a afirmação encher os cofres da canonical rsrsrs se uma empresa mantém um grupo de programadores desenvolvendo uma solução boa e completa qual o problema dessa empresa lucra com isso.... Ir referente às redes sociais olha só você já experimentou criar um site ir de servidores funcionando 24 horas por dia cheios de vídeos e fotos inúteis quanto que você gastaria para manter esta estrutura nada mais justo do que a empresa recolher seus dados e venda dados para poder bancar esses custos eu perdi meu tempo lendo todo este artigo que achei demagogo e tanto invejoso sei lá.

    ResponderExcluir
  117. Nuno José Almeida12 de maio de 2014 00:26

    Discordo em absoluto porque cai numa grande falácia a de que as outras distros não têm software proprietário e PODEM ter. Assim como pode ter o Ubuntu. Eu opto por ter um mínimo de software proprietário mas se tiver de usar uso.

    ResponderExcluir
  118. De forma meio implícita, vc está fazendo uma denúncia. Eu não vejo nenhum problema em existirem programas proprietários no Ubuntu, nem nos mesmos quererem lucrar com isso (ora bolas, tudo tem um custo.) Porém, se o que vc está dizendo sobre coleta de informações for verídico, você poderia fazer algo mais útil, como mostrar o que a Canonical faz por trás dos panos (essa sempre foi a diferença que eu percebi entre o próprio windows e o ubuntu, nele eu me sinto dentro de 40 caixas, e eu só consigo ficar dentro delas), se eles realmente vendem informações pessoais, estão cometendo um crime, já que esta informação não está explícita em lugar algum. Tirando esse detalhe, sua reclamação , como já disseram, é puramente fantasiosa e romântica, a lá "anonymous".

    ResponderExcluir
  119. Sou usuário de Linux e software livre em geral há 16 anos, comecei usando o Slackware, na época eram precisos vááários CDs e disquetes pra instalar ;-) e fico triste como a MIOPIA ainda prevalece na comunidade. Se o Ubuntu é um sucesso e sem tem um modelo de negócios rentável é porque ele traduz o que o USUÁRIO FINAL quer e precisa. Se você quer continuar com essa pose de durão, que adora abrir o terminal e dar seus comandinhos, o problema é seu e não de quem quer praticidade, AMIGABILIDADE, e um produto funcional nas mãos. Sim um PRODUTO. Parabéns pra Canonical que se firmou como empresa, uma pena esse recalque da comunidade brasileira que apesar de brilhante, não conseguiu até hoje emplacar um Sistema Operacional que valesse a pena botar no HD. Abraços! :)

    ResponderExcluir
  120. E meu caro xará André Machado, muitas vezes publiquei informações precipitadas sobre coisas, que mais tarde me arrependi e me retratei. Você tem todo o DIREITO de tecer suas ideias, mas na minha opinião, seu post é um desserviço ao avanço do Software Livre pelo mundo. Repense meu amigo, na boa. Não é batendo no colega do mesmo time que agente ganha um jogo.

    ResponderExcluir
  121. CARA ISSO PODE ATÉ SER VERDADE PROS GEEKS MAS EU SÓ QUERO UM OS GRATIS QUE SEJA BONITO E N ME DE TRABALHO E O UBUNTU ME DA ISSO....

    ResponderExcluir
  122. O ubuntu fere os princípios de liberdade do pessoal do software livre, mas conseguiu seu espaço legitimamente, fazendo um sistema amigável para os usuários, que escolheram por isso usá-lo. Pergunto por que não desenvolvem então um sistema totalmente livre que tenha as mesmas qualidades do ubuntu, ou melhores? Criticam o ubuntu por usar plugins proprietários, então criem plugins totalmente livres que os superem em funcionalidade.
    As pessoas que detém um grande conhecimento na área de programação são plenamente livres para não depender de padrões, e criam sua própria maneira de resolver as coisas. Mas e o usuário que não é desta área e quer o computador apenas como uma ferramenta para seu trabalho? Se não existir um padrão seguido universalmente, ele que não é e não deve ser da área, ficará totalmente perdido, e jamais será livre para fazer algo de que não sabe como fazê-lo.

    ResponderExcluir
  123. Migrei a pouco tempo para o Ubuntu, não fazia idéia que a comunidade Linux eram tão dividia, imaginava que o importante era estar fora do Windows/MacOS

    ResponderExcluir
  124. Não consigo entender o motivo de tantos odiarem o Ubuntu. Foi graças a este sistema que migrei para o Mundo Open Source. Foi graças ao Ubuntu que surgiram excelentes distros, como o Mint, ElementaryOS e Zorin OS!!!

    É como eu já vi em algum blog Linux, as distros são diferentes "sabores" do Linux (que todo mundo sabe que trata-se do Kernel). Por isso, escolher uma distro é uma questão PESSOAL.

    Algo tão simples...

    ResponderExcluir
  125. E ah, esse é um blog LINUX? Ou me confundi???

    ResponderExcluir
  126. tudo tem custos. todos os outros profissionais de nivel superior
    cobram.
    por que empresas de software tem que fazer tudo 0800 em unix?
    desde que tenha incentivos financeiros do governo ou de outros fins, fica mais facil.

    o Opera teve que ceder, praticamente acabaram com ele no 12. agora ta todo diferente. foi um dos pioneiros navegadores .

    Linus Torvalds, bill gates, steve jobs quem tem menos dinheiro?

    justo isso?

    ResponderExcluir
  127. eu vou ser bem sincero, eu usava uma distro baseada em rpm, quando me deparei com um problema, encontrei vários textos e guias explicando como resolver no ubuntu.
    Li bastante, consegui resolver. Depois veio outro problema, outra dúvida, um programa para instalar que não encontrava e todos que eu encontrava eram sempre explicando como utilizar no ubuntu ou resolver no ubuntu.
    Agora desculpem-me, mas eu não vou perder meu tempo tentando encontrar soluções ou programas em outras distro se para linux está bem mais fácil.
    eu não sei vocês, mas quando sento na frente do pc, eu quero facilidade.
    de dificuldade, já me basta a vida.

    ResponderExcluir
  128. quando eu tive meu primeiro contato com o linux, eu acreditava que existiam duas linhas apenas de linux: rpm e deb
    mas, a coisa é mais cheia de mimimi e ego, mais até do que eu imaginava.

    ResponderExcluir
  129. Concordo com o Leandro e digo mais, sou a favor de um Linux fácil de usar, para todo mundo usar, não só para nerds. Quando digo isso eu não quero ficar instalando programas e resolvendo problemas por meio de comandos no terminal. A maioria na população é leiga sobre informática e quer clicar e rodar. NÃO HÁ, de forma alguma, universalizar a solução de um problema em todas as distros por dois motivos , uma porque o problema talvez não tenha em outra distro, e outra devido ao fato de voltamos ao mesmo problema das linhas de comando. Sou a favor do Ubuntu sim, pois é uma tentativa de unificação do Linux em uma distro, uma vez que a cada dia aparece uma nova e depois morre deixando os usuários perdidos, principalmente os novos, ninguém gosta de começar um programa novo e saber que tem infinitas versões dele.

    ResponderExcluir
  130. Meu camarada, seu raciocínio de dizer que liberdade para se acorrentar diminui sua liberdade é totalmente falho. Por exemplo: Para dirigir um carro você usa cinto de segurança, certo? Ué mas ele não restringe sua liberdade? NÃO! Ele aumenta sua liberdade, a liberdade de continuar vivo, a liberdade de ver sua família no fim do dia, a liberdade de não pagar uma multa. Se você trabalha em altura você prende seu mosquetão no cabo da linha de vida. Por que, afinal isso não restringe sua liberdade? NÃO! Porque sem prender seu mosquetão você perde a liberdade de trabalhar em altura. Então se o usuário precisa de um software fechado porém gratuito, ele vai exercer sua liberdade de trabalhar. Não fazer isso e esperar a comunidade produzir um software livre equivalente seria restringir a liberdade. Liberdade de decisão, liberdade de trabalhar, liberdade de produzir, liberdade de reconhecer que aquela produtora do software fechado realmente fez um bom trabalho e me deu uma opção que antes eu não tinha. Ou vai ficar paradinho lá sem produzir ou sem usufruir porque o software é proprietário? Isso é liberdade?

    ResponderExcluir
  131. Eu acho que como ideal o software livre é muito boa, porem como programador vejo que se tenho conhecimento eu faço as mudanças que eu quero e distribuo ou não estas mudanças, mas sempre preciso de R$ para me sustentar, e a Canonical pegou o publico que é leigo e desconhece programação, e neste sentido sou um pouco favoravel ao Ubuntu, mas não utilizo ele, gosto dos meu Slackware e Debian que posso mudar e melhorar ou ferrar tudo do jeito que eu quiser, mas se fosse para indicar um linux para um usuario novo eu indicaria o linuxmint que é uma distribuição baseada em ubuntu e que tem toda garantia de funcionabilidade e facilidade que usuarios domesticos necessitam.

    ResponderExcluir
  132. Em relação ao artigo sobre o falso conceito de software livre é certo afirmar que a prática vaticinou o uso do nome. Na verdade o conceito de open -source se aplica ao GNU original livre, ou software livre. A confusão está, como bem disse o André Machado, na falsa idéia de livre. Livre no uso, mas nem sempre na possibilidade de se alterar o kernel. Todos sabemos, ou pelo menos uma parcela sabe, que muitos atribuem também o conceito falsamente o nome de Linux aos Sistemas da Apple, que até então tinham nomes de animais e que na verdade é um Unix puro, baseado em C. Mantendo o conceito, não fosse o advento do Ubuntu, ressuscitado por um sul-africano, poderíamos dizer que o sistema da Apple foi o único Linux que deu realmente certo. Isso supondo que ele fosse realmente Linux. Depois apareceu o Android (nem todos são livres também) e nasceu mais um filho da liberdade. Fiz o primeiro teste com o Android em desktop, o Android 1.1 que evoluiu para outras versões e que hoje roda em boa parte dos smartphones.

    ResponderExcluir
  133. Esse Andfre Machado deve achar que o windows com seus :

    SPYWARES
    MALWARES
    KEY LOGGERS
    TROJANS
    PROGRAMAS ESPIÃO
    VÍRUS HORRÍVEIS DE PEN DRIVEIS
    PROGRAMAS PIRATAS E ORIGINAIS QUE NÃO FUNCIONAM
    ROOTKIT

    OLHA SINCERAMENTE ESSE ANDRÉ COM TODO RESPEITO NÃO SABE PORCARIA NEMHUMA DE OPEN SOURCE,LINUX E UBUNTU.

    AO INVÉS DELE JULGAR , ELE DEVERIA FAZER UMA FACULDADE PARA DESENVOLER SOFTWARES E NÃO SOFISMAS IMBECIS IGUAL ELE DISSE.

    ResponderExcluir
  134. Eu gosto de software livre como ferramenta, não como religião.

    ResponderExcluir
  135. Eu preciso do CD Ubuntu 14.04 porque não consigo baixar nem a pau. todos que eu baixo vem com erro. Eu fiz partição no Windows de 10 GB deixei tudo no jeito, mais não consigo e o pior que demora umas 8 horas pra baixar. Quando vou dar o boot no meio do caminho aparece ERRO. Eu sou novato e gostaria de saber quem indica onde acho o cd do sistema Ubuntu 14.04 pra comprar. Eu moro em Itanhaém. Loja de informática vende? Vou ter que dar boot com o CD porque online sem chance. Obrigadão a quem atender-me.

    ResponderExcluir
  136. Sabe, pessoal, o problema é o seguinte: a comunidade que quer resistir aos monopólios tem que se organizar, falar claro e conquistar os usuários. O Ubuntu está fazendo isso. Com defeitos. Mas está. Vocês, puristas, por acaso vão conseguir pelo menos manter uma distro nacional funcionando? O momento é grave e não precisamos de mimimi. Não ajuda, entendem?

    ResponderExcluir
  137. Se for pra manter "distro nacional" que nada mais é do que uma remasterização mal-feita do próprio Ubuntu com um papel de parede bacana, meia dúzia de programas pré-instalados e um monte de scripts mal-feitos, é melhor nem tentar.

    ResponderExcluir
  138. Excelente balde de agua fria. O problema no artigo do Andre Machado é somente o título. Foi escrito para escandalizar através das mentes menos preocupadas com a profundidade do linux ou do software livre em geral. E essas coisas devem ser logo esfriadas.

    ResponderExcluir
  139. A matéria mostra a diferença de "Software Livre" e “Software Grátis” mas a acusação sobre o Ubuntu é um tanto injusta, pois já usei outras distros e é bem confuso para novatos (em linux). Já trabalhei com programação, mas no meu tempo era COBOL, DBase, Lotus e os equipamentos usados era o CP500, Apple IIe, MSX, e outros que não dispunha de GNU/Linux. Naquela época para vc conseguir um soft tinha o "canal" certo pra ter uma cópia e hj tudo ficou mais fácil, e o Ubuntu está nesse nicho de facilidades pois não é preciso ficar na internet feito um louco pra conseguir/aprender o que vc quer.
    Eu entendo que um programador avançado fique contra as "travas" que existe no Ubuntu, mas o usuário comum não, porque hj vc consegue programas (e bons programas) de graça até no Rwindows, enquanto o GNU/Linux em geral, patina na "burrocracia" da distribuição do clube do Bolinha, ou seja, quem sabe sabe se não sabe você é descartado como usuário e pronto.
    Eu também concordo que ensinar programação nas escolas é ótimo, assim como defendi sem êxito de que "Leis de Trânsito e do Consumidor" virasse matéria escolar, mas no Brasil os políticos prefere o povo burro.

    ResponderExcluir
  140. Comentário interessante. Porém, como todos os outros do tipo, ele é falho pelo fato de que o assunto do qual meu texto fala é a liberdade de software e não a facilidade de uso ou a liberdade de escolha. Entre usar um programa fácil que coleta suas informações e as envia para empresas privadas fora do país sem você saber e um livre, um pouco mais difícil, mas que mantém sua privacidade, qual você escolheria?

    ResponderExcluir
  141. Apenas um agradecimento de um leigo. Fui testar o UBUNTU 14.04lts e deparei com esta maravilhosa DEMOCRACIA. TREMENDAMENTE GRATO.

    ResponderExcluir
  142. ze ruela fan boy sabe de nada inocente

    ResponderExcluir
  143. Apenas mais um exemplo de que autor de comentário contendo a palavra "Cuba", fora do contexto do turismo, é apenas um imbecil tentando impor uma opinião e não alguém disposto a debater o tema em questão.

    ResponderExcluir
  144. Criticarei quem faz críticas destrutivas e sem relevância....com críticaas destrutivas e sem relevância.

    ResponderExcluir
  145. Boa, acho que eu escreveria o mesmo. Você não pode fazer que o mundo vire programador. E quem não quiser usar os recursos não livres, que altere o código, e não use. Fiz assim com alguns recursos. e Ponto.

    ResponderExcluir
  146. Que testinho mais bosta!

    ResponderExcluir
  147. Artigo lixo! kkkkkk

    Estou percebendo um crescente número de "beatos" do software livre... Quanta bobagem... Um sistema tem que simples mesmo, fácil! Tudo que nós precisávamos no Linux era facilidade, e agora temos graças à Canonical. Para ficar perfeito mesmo só padronizando os pacotes. Acabar com essa patifaria de .deb ou .rpm ou .ymp, .tar.bz2... Se o Ubuntu fosse pago hj em dia eu pagaria por ele.

    Agora vou vazar que não sei nem porque parei nesse site...

    ResponderExcluir
  148. Caraca, esse foi o melhor comentário de todos. Os caras se esquecem que a maioria dos usuário não está nem aí pra Linux ou GNU. Eles querem é usar sem ter de se preocupar... A Canonical oferece um produto free, mas não é livre. Que diferença isso faz? Ubuntu é o melhor pra quem não entende e quer começar. Os caras são ferrenhos demais e inflexíveis.

    ResponderExcluir
  149. Robson, o que você diria do Windows? De compras online?

    ResponderExcluir
  150. Eu sou entusiasta do GNU/Linux há anos e acho a filosofia de software livre fantástica. Até brinco com o meu irmão dizendo que isso é um marxismo tecnológico. (risos)
    Pois bem, recentemente li um artigo que fala que o Ubuntu é o inimigo nº 1 do software livre. Li também que o grande Stallman disse que o Ubuntu é um spyware.
    Poxa, eu li essas coisas e fiquei realmente incomodado, me senti um tanto traído. Mas, aí eu resolvi sair da opinião e partir para a episteme e fui atrás de um pouco de conhecimento.
    Eu não sou programador e nem nada parecido - sei usar o terminal de forma muito "superficial" e sei como descompactar pacotes tar.gz.etc, mas não sou conhecedor profundo do Linux, então, por favor, relevem qualquer bobagem que eu falar.

    Pensei duas coisas:
    1º: Filosofia não dá pão.
    Ora, acredito que o próprio Ubuntu estar disponível para download gratuitamente já é fantástico. Tudo bem que alguns softwares proprietários potencialmente estão no meio, mas o sistema em si é ótimo, estável e ao meu ver está na frente daquele S.O.-que-não-devemos-falar-o-nome.

    2º: Mas a proposta era o software livre (que difere de open-source).
    Isso parte de opinião minha, não de conhecimento. Penso que o Ubuntu surgiu já que havia a necessidade de um S.O. que pudesse competir com o monopólio que mora em Redmond. Pode ser que com a qualidade do S.O., os softwares proprietários olharam com outros olhos e a Canonical se deixou levar. Mesmo não sendo um pensamento moderno, preciso citá-lo: "América: oferta e demanda".

    Tenho usado o Ubuntu desde a versão 7.10 Gutsy Gibbon e claro, notei uma revolução gigantesca. Li inúmeros comentários pró-Ubuntu, pró-Ubuntu mas nem tanto assim e alguns que condenam a Canonical.
    Pelo que entendi, isso é quase o que um velho com uma barba branca que muita gente tem medo falou sobre: A democratização do acesso aos meios de produção.

    Acredito que pra compilar, fuçar no kernel, o usuário tem que ser mais hardcore. O usuário final não vai se preocupar em editar código-fonte ou se é open-source ou software livre. Acredito que o sujeito que migra do 'S.O. proprietário' para o Ubuntu, já é um grande passo.
    Também penso na qualidade do software. Concordo que não há estímulo para a criação de bons softwares livres alternativos aos grandes nomes, mas existem bons softwares que não são conhecidos.
    Acho que falta a oportunidade de produzir o software. Aí eu concordo que a Canonical pode, digamos, oprimir o cara que quer produzir uma alternativa legal aos grandes softwares.
    O sujeito sozinho não faz milagres.

    Vejo a turma falando muito que o Ubuntu recolhe informações a partir do desktop pra fazer aquelas recomendações quando se fazer a busca... Poxa, e o Facebook faz o quê? O Google?

    Dá pra editar qualquer código no Ubuntu (Dá, né?). Isso já é o software livre, não? Temos que lembrar que o Ubuntu é a porta de entrada pra muita gente que um dia vai desenvolver as linguagens mais diversas no Linux.

    ResponderExcluir
  151. software livre é para programador, eu não sei programar e odeio usar o terminal, adoro o linux e pagaria para ter um sistema completo e fácil de usar, no mundo real isso só vai existir se o linux der lucro.

    ResponderExcluir
  152. Eu uso o ubuntu 12.4, gostei dele por ser mais ou menos igual ao windows.Só que deveriam parar (Como no Windows)de estar mudando sempre de versões,isto é uma chatice,porque eles não tentam melhorar cada vez mais sem ter que mudar de versões,usando as atualizações como eram no principio, assim muitos usuários iriam gostar e o linux ficariam cada vez com mais credito e mais adeptos, esta é a minha opinião.
    abs

    ResponderExcluir
  153. É, sou usuário do Ubuntu 14 LTS, mas não sou programador, gosto do Linux devido a sua estabilidade. Gostaria que publicassem matérias com tutorias de SL opcionais a softwares pagos já bem difundidos, como Nero, Editores de mídias, coisas que agente sente falta quando migra para o Linux.

    ResponderExcluir
  154. Mas já é assim. Basta utilizar as versões LTS que tem suporte por anos e anos.

    ResponderExcluir
  155. Me perdoa, mas a resposta foi simplista... já que a liberdade de imprensa (escrita) não serve de nada para quem é analfabeto...! O mesmo se aplica sobre código fonte. Seguindo seu raciocínio, você se deixaria operar por alguém, que mesmo não sendo médico, quer ter essa liberdade.

    ResponderExcluir
  156. Liberdade não é obrigação, e a questão é se pode-se permitir software proprietário, mesmo que gratuito, na plataforma. Isto desqualifica a plataforma? Têm sentido obrigar a fornecer fontes de todo sistema? Eu acredito que não, já que afasta muitas soluções profissionais, e o único sistema operacional que eu conheço que exige os fontes é o OpenBSD e é por motivos de segurança...!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Como acessar configurações avançadas no Sagemcom F@st 2704N

NOVO TUTORIAL: GUIA DEFINITIVO DAS CONFIGURAÇÕES AVANÇADAS DO SAGEMCOM F@ST 2704N!
Atualização 23/01/2015: Alguns problemas apontados e descobertos nesse modem:
1. Alguns usuários relatam dificuldade em salvar alterações na configuração ADSL;
2. Não sei como acessar os logs do modem; mesmo habilitando, eles não aparecem;
3. Se você trocar o DNS do modem, ele voltará ao da Oi ao ser reiniciado;
4. Estou enfrentando alguns problemas sérios de lentidão. Não sei se isso é relacionado ao modem ou a algum dispositivo na minha rede interna.
-----
Os modens da marca Sagemcom estão se tornando muito populares no Brasil, não, quiçá, por sua qualidade, mas porque eles são os atuais queridinhos das operadoras: quando você assina um plano ADSL, geralmente a operadora envia um modem wireless para sua casa a fim de que você possa navegar sem precisar ter gastos extras com esse equipamento. É claro que os equipamentos fornecidos pelas operadoras são básicos, mas saciam as necessidades dos usuários comuns - …

O Guia Definitivo das configurações avançadas no Sagemcom F@st 2704N

Há alguns meses, eu contei minha experiência com o Sagemcom F@st 2704N e tenho recebido diversos comentários sobre suas configurações avançadas. Agora que minhas aulas na faculdade estão acabando, resolvi reservar um tempinho para explorar melhor esse modem que, diga-se de passagem, é muito bom.