Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2014

ProofWiki: site com várias demonstrações matemáticas

Saber demonstrar um teorema é uma tarefa fundamental para qualquer professor ou bacharel em Matemática. Muitos sites tentam reunir várias provas e um deles que descobri recentemente, ao acaso, é o ProofWiki.
Usando o mesmo software da Wikipedia, o MediaWiki, o ProofWiki é, em suas próprias palavras, "um compêndio on line de provas matemáticas". O objetivo do site é "a coleção, a colaboração e a classificação das demonstrações matemáticas".
Todos os símbolos matemáticos são escritos com MathJax e as provas estão sob uma licença Crative Commons. Vale a pena dar uma olhada.

Professor usa jogo The Walking Dead para ensinar ética em sala de aula

A utilização de jogos e de outras tecnologias de informação (TIC) na educação não é uma novidade. Muitos professores e instituições utilizam diversos jogos populares, como Minecraft, Angry Birds e Portal, para lecionarem seus conteúdos em sala de aula, mas um professor norueguês resolveu inovar e levou os zumbis para a sala de aula.

A Matemática e o custo que você não vê

Foi só eu publicar o meu post de dicas de como hackear a inflação que a Anna Celico publicou essa interessante imagem, supostamente veiculada no jornal O Globo:



Créditos: @letraslimitadas e @AnnaCelico.

Como utilizar a Matemática para "hackear" a inflação

Como todos nós sabemos, a grande vilã das décadas de 1980 e 1990, a inflação, está de volta com força total. Os bens de consumo e o custo de vida estão ficando mais caros e nossos salários, cada vez menores. Se, antes, você conseguia fazer todas as suas compras do mês e ainda sobrava algum trocado, hoje você pode considerar um milagre se o seu salário durar até a última semana do mês.
Infelizmente, como explicado no livro Os Números (não) Mentem, a Matemática é utilizada, muitas vezes, para enganar a população e convencê-la daquilo que pessoas que não precisam se preocupar com o final do mês querem que o povo acredite.
Já que contar com o Governo para reverter esse quadro econômico está fora de questão, abaixo dou algumas dicas para você driblar essas artimanhas e economizar alguns trocados. Pode ser pouco, mas também pode fazer a diferença. As dicas 1 a 6 cobrem truques sobre como comprar no supermercado e as de 7 a 10 são mais gerais para o dia-a-dia.

Senha do Wi-fi

A fim de evitar os vizinhos penetras, esse cara teve uma brilhante ideia para proteger sua conexão wireless:

Sequências monótonas e convergência

Em nosso post anterior sobre sequências, vimos que estas nada mais são do que funções cujo domínio é um conjunto de números inteiros e que, se conhecermos sua lei de formação, podemos representá-la inteiramente através de seu termo geral, sem a necessidade de se escrever alguns de seus elementos.
Em relação a seus termos, uma sequência numérica pode ser:


estritamente crescente se a1 < a2 < a3 < ... < an < ...
crescente se a1 ≤ a2 ≤ a3 ≤ ... ≤ an ≤ ...
estritamente decrescente se a1 > a2 > a3 > ... > an > ...
decrescente se a1 ≥ a2 ≥ a3 ≥ ... ≥ an ≥ ...

Chamamos a uma sequência crescente ou decrescente de monótona e a uma estritamente crescente ou estritamente decrescente de estritamente monótona.

Pesquisadores procuram por viajantes do tempo em redes sociais

Sabemos que a Ciência não cansa de nos surpreender, mas às vezes essa surpresa não é tão... surpreendente. Dois físicos da Michigan Technological University desenvolveram um método prático para encontrar viajantes do tempo que estejam vivendo em nossos dias: através de redes sociais.
A ideia dos caras, de acordo com seu artigo, consiste em pesquisar por conteúdos sobre determinados assuntos antes deles terem acontecido ou se tornado relevantes, como o cometa Ison, que é citado no paper. A técnica lembra em muito a história por trás de John Titor, um suposto viajante do tempo vindo de 2026 que postou várias mensagens em fóruns na internet entre 2000 e 2001. Hoje, porém, há evidências para acreditar que essa história tenha sido uma farsa.
Embora a estratégia seja interessante, como todos podemos imaginar, a mesma ainda não deu resultados positivos.
Via Slashdot.

Por que empresas não devem contratar alunos das melhores universidades do Brasil

2014 já chegou fazendo barulho na Internet. No crepúsculo (eca!) do ano que se  acabou há alguns dias, vários sites e fóruns foram sacudidos e pegos de surpresa por esse texto, escrito por Felipe Albertão, que é um engenheiro de software brasileiro que vive nos EUA. Em pleno ano da Copa, onde tudo é uma maravilha nesse país tropical, ele simplesmente desceu a lenha e explicou, com todas as letras, por que as empresas estrangeiras não devem contratar profissionais das "melhores" universidades brasileiras.